sicnot

Perfil

País

Associação da GNR considera propostas do Governo inaceitáveis

 A Associação Nacional de Guardas (ANAG) considerou inaceitáveis as propostas de alteração do Estatuto dos Militares da GNR apresentadas pela ministra da Administração Interna na segunda-feira, salientando que são um "atropelo aos direitos constitucionais".

Lusa

A ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, reuniu-se na segunda-feira com associações representantes da GNR, a quem apresentou uma proposta de estatuto profissional, estando marcada nova reunião para dia 23.

Em comunicado, a ANAG salientou que as principais propostas de alteração do Estatuto dos Militares da GNR são "totalmente inaceitáveis", considerando que o "documento apresentado atropela direitos constitucionais, reduz direitos adquiridos, contém medidas antidemocráticas e agrava ainda mais as condições profissionais dos militares".

A ANAG acusou ainda Anabela Rodrigues de "promover a desigualdade entre a GNR e a PSP, quando ambas desempenham funções semelhantes na segurança interna do país e dos cidadãos".

Por isso, refere a ANAG em comunicado, a associação "rejeita a proposta de 40 horas semanais que entrará em vigor na melhor das hipóteses até 2019, podendo ser criado um crédito de horas a definir por despacho pelo comandante geral da GNR".

A associação lembrou que o estatuto da PSP a entrar em vigor de imediato é de 36 horas de serviço semanal.

No que diz respeito às promoções, a ANAG refere que a "proposta confere ao superior hierárquico o poder e livre arbítrio de decidir promoções, o que no entender da associação "é um grave retrocesso dos direitos dos profissionais.

A associação contesta também a proposta que estipula 36 anos de serviço e 55 de idade, abolindo os 15% de redução para a contagem do tempo de reforma e a redução de 25 para 22 dias de férias por ano.

"Perante o total e unânime desacordo, os dirigentes das associações representativas dos elementos da GNR vão reunir-se em breve para debater a situação e decidir formas de luta para contestar o documento", refere a associação.

Na segunda-feira, a Associação dos Profissionais da Guarda (APG) discordou do projeto de estatuto profissional apresentado pelo Governo e avisou que, se não for modificado, os militares "vão partir para a contestação".

Também o presidente da Associação Socioprofissional Independente da Guarda (ASPIG), José Alho, disse à agência Lusa que o "estatuto é 'extremamente militar' e que as propostas da ministra visam transformar a GNR "num quarto ramo das Forças Armadas".

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • "O futuro da Autoeuropa não está em causa"
    0:43

    Economia

    O secretário de Estado do Trabalho apelou a que os partidos não se intrometam nas negociações entre os trabalhadores e a administração da Autoeuropa. Em entrevista à Edição da Noite da SIC Notícias, Miguel Cabrita afastou a hipótese de estar em causa o encerramento da fábrica de Palmela.