sicnot

Perfil

País

Associação da GNR considera propostas do Governo inaceitáveis

 A Associação Nacional de Guardas (ANAG) considerou inaceitáveis as propostas de alteração do Estatuto dos Militares da GNR apresentadas pela ministra da Administração Interna na segunda-feira, salientando que são um "atropelo aos direitos constitucionais".

Lusa

A ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, reuniu-se na segunda-feira com associações representantes da GNR, a quem apresentou uma proposta de estatuto profissional, estando marcada nova reunião para dia 23.

Em comunicado, a ANAG salientou que as principais propostas de alteração do Estatuto dos Militares da GNR são "totalmente inaceitáveis", considerando que o "documento apresentado atropela direitos constitucionais, reduz direitos adquiridos, contém medidas antidemocráticas e agrava ainda mais as condições profissionais dos militares".

A ANAG acusou ainda Anabela Rodrigues de "promover a desigualdade entre a GNR e a PSP, quando ambas desempenham funções semelhantes na segurança interna do país e dos cidadãos".

Por isso, refere a ANAG em comunicado, a associação "rejeita a proposta de 40 horas semanais que entrará em vigor na melhor das hipóteses até 2019, podendo ser criado um crédito de horas a definir por despacho pelo comandante geral da GNR".

A associação lembrou que o estatuto da PSP a entrar em vigor de imediato é de 36 horas de serviço semanal.

No que diz respeito às promoções, a ANAG refere que a "proposta confere ao superior hierárquico o poder e livre arbítrio de decidir promoções, o que no entender da associação "é um grave retrocesso dos direitos dos profissionais.

A associação contesta também a proposta que estipula 36 anos de serviço e 55 de idade, abolindo os 15% de redução para a contagem do tempo de reforma e a redução de 25 para 22 dias de férias por ano.

"Perante o total e unânime desacordo, os dirigentes das associações representativas dos elementos da GNR vão reunir-se em breve para debater a situação e decidir formas de luta para contestar o documento", refere a associação.

Na segunda-feira, a Associação dos Profissionais da Guarda (APG) discordou do projeto de estatuto profissional apresentado pelo Governo e avisou que, se não for modificado, os militares "vão partir para a contestação".

Também o presidente da Associação Socioprofissional Independente da Guarda (ASPIG), José Alho, disse à agência Lusa que o "estatuto é 'extremamente militar' e que as propostas da ministra visam transformar a GNR "num quarto ramo das Forças Armadas".

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.