sicnot

Perfil

País

Associação da GNR considera propostas do Governo inaceitáveis

 A Associação Nacional de Guardas (ANAG) considerou inaceitáveis as propostas de alteração do Estatuto dos Militares da GNR apresentadas pela ministra da Administração Interna na segunda-feira, salientando que são um "atropelo aos direitos constitucionais".

Lusa

A ministra da Administração Interna, Anabela Rodrigues, reuniu-se na segunda-feira com associações representantes da GNR, a quem apresentou uma proposta de estatuto profissional, estando marcada nova reunião para dia 23.

Em comunicado, a ANAG salientou que as principais propostas de alteração do Estatuto dos Militares da GNR são "totalmente inaceitáveis", considerando que o "documento apresentado atropela direitos constitucionais, reduz direitos adquiridos, contém medidas antidemocráticas e agrava ainda mais as condições profissionais dos militares".

A ANAG acusou ainda Anabela Rodrigues de "promover a desigualdade entre a GNR e a PSP, quando ambas desempenham funções semelhantes na segurança interna do país e dos cidadãos".

Por isso, refere a ANAG em comunicado, a associação "rejeita a proposta de 40 horas semanais que entrará em vigor na melhor das hipóteses até 2019, podendo ser criado um crédito de horas a definir por despacho pelo comandante geral da GNR".

A associação lembrou que o estatuto da PSP a entrar em vigor de imediato é de 36 horas de serviço semanal.

No que diz respeito às promoções, a ANAG refere que a "proposta confere ao superior hierárquico o poder e livre arbítrio de decidir promoções, o que no entender da associação "é um grave retrocesso dos direitos dos profissionais.

A associação contesta também a proposta que estipula 36 anos de serviço e 55 de idade, abolindo os 15% de redução para a contagem do tempo de reforma e a redução de 25 para 22 dias de férias por ano.

"Perante o total e unânime desacordo, os dirigentes das associações representativas dos elementos da GNR vão reunir-se em breve para debater a situação e decidir formas de luta para contestar o documento", refere a associação.

Na segunda-feira, a Associação dos Profissionais da Guarda (APG) discordou do projeto de estatuto profissional apresentado pelo Governo e avisou que, se não for modificado, os militares "vão partir para a contestação".

Também o presidente da Associação Socioprofissional Independente da Guarda (ASPIG), José Alho, disse à agência Lusa que o "estatuto é 'extremamente militar' e que as propostas da ministra visam transformar a GNR "num quarto ramo das Forças Armadas".

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.