sicnot

Perfil

País

PR diz que é tempo de concretizar reformas das Forças Armadas

O Presidente da República considerou hoje que depois de concluído o processo que levou à aprovação das novas reformas das Forças Armadas, é agora tempo da sua concretização, o que exige flexibilidade, tempo e capacidade de adaptação. 

SIC

"As reformas não terminaram, naturalmente, com a conclusão do processo legislativo. Agora é a altura de as concretizar, o que exige não só flexibilidade, tempo e capacidade de adaptação, mas também a disponibilização de recursos e a existência de meios", afirmou o chefe de Estado, Aníbal Cavaco Silva, na cerimónia militar das comemorações oficiais do 10 de Junho, que decorreu em Lamego.

Pois, acrescentou, só assim se conseguirá assegurar "uma transição gradual e sem ruturas para a nova estrutura", sendo igualmente necessário assegurar que os militares se revejam nessas reformas, que contribuam para o "reforço da sua motivação e para a melhoria da sua capacidade operacional".

"Este deverá ser o verdadeiro sentido das reformas das Forças Armadas", vincou Cavaco Silva.

Além disso, continuou, é igualmente importante ter presente que as Forças Armadas não se compadecem com reformas sucessivas, sem que as anteriores tenham sido concluídos e testadas.

"Esta preocupação deve estar presente em todos os responsáveis e ser merecedora de amplo consenso entre os agentes políticos, já que se trata de uma área de importância vital para a Nação portuguesa", referiu o Presidente da República, que é também o Comandante Supremo das Forças Armadas.

Reconhecendo que nos períodos de paz prolongada o papel das Forças Armadas nas sociedades pode ser desvalorizado por alguns, "e a necessidade da sua existência pode ser menos percebida", Cavaco Silva lembrou que, contrariando uma ideia instalada em alguns setores, foi a area do Estado que mais se transformou nos últimos 40 anos, tendo o Orçamento da Defesa sofrido um decréscimo de cerca de 30 por cento, com os efetivos a diminuírem em cerca de 35 por cento.

"As nossas Forças Armadas atravessam atualmente um novo ciclo de reformas. Ao mesmo tempo, a gravidade dos acontecimentos nas periferias e no interior da Europa veio infletir a tendência de desmilitarização e desinvestimento na Defesa por parte das sociedades do mundo euro-atlântico", disse, defendendo que "esta é uma realidade a que Portugal não pode ficar indiferente".

Por isso, preconizou, há que proceder" às necessárias adaptações e ajustamentos na concretização das reformas em curso, de modo a garantir as capacidades e o empenhamento solidário" das Forças Armadas, em conjunto com os aliados.

Falando perante militares de todos os ramos, Cavaco Silva apontou a instituição militar como um dos "pilares estruturantes e inalienáveis do Estado", que existe para combater e aplicar a força militar, na defesa de Portugal e dos portugueses, garantindo-lhes a paz e a livre escolha do seu futuro.

"Esta é a sua razão de ser, a sua missão primária, e aquilo que as distingue dos outros corpos do Estado. É por isso que a organização militar está associada a conceitos de comando e de hierarquia, de disciplina e de coesão, de autoridade e de responsabilidade, de espírito de corpo e de camaradagem, e assenta em códigos de conduta e no culto de valores", sustentou, considerando que uma organização desta natureza tem que possuir, "em permanência, um conjunto de capacidades que lhe assegure a prontidão e o nível de resposta adequado para o cumprimento das suas missões". 

"Como Comandante Supremo das Forças Armadas, quero manifestar, perante os portugueses e a mais alta hierarquia do Estado, o meu respeito e profundo reconhecimento aos nossos militares, pelo seu elevado sentido de serviço à comunidade e pelo que, em situações extremas e em conjunturas difíceis, têm demonstrado: um desempenho excecional, um comportamento exemplar, uma determinação férrea", concluiu.



Lusa
  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.