sicnot

Perfil

País

Jerónimo de Sousa diz que PS propõe alternância, não alternativa

O secretário-geral do PCP disse hoje que aquilo o PS propõe "é alternância" e manutenção da "política de direita", sublinhando que os comunistas não podem "calar" as responsabilidades dos socialistas na situação do país.

NUNO VEIGA

"Não conseguimos encontrar essa alternativa [no PS]. O que o PS propõe é alternância, o que o PS propõe é ser Governo, mas no essencial é para continuar a mesma política", afirmou Jerónimo de Sousa, num almoço com apoiantes do PCP, na Horta, ilha do Faial, Açores.

Jerónimo de Sousa afirmou que nas eleições deste ano, "não basta derrotar o Governo da direita, é preciso derrotar a política de direita", lembrando "as responsabilidades do PS", que foi "quem convocou" 'a troika' e "subscreveu em primeiro lugar" o "pacto de agressão" com os credores estrangeiros, que depois "a direita concretizou".

"Podemos calar este facto, que o Partido Socialista também teve responsabilidades particulares neste processo?", questionou, acrescentando que o PS não "aprendeu a lição" e não se apresenta às eleições legislativas deste ano com uma política alternativa.

A este propósito, sublinhou que no programa do PS não há "uma linha" sobre a renegociação da dívida e que no caso de outro dos "bloqueios" para o país, o tratado orçamental europeu, que exige "uma redução do défice a mata cavalos", os socialistas apenas usam uma referência "que ninguém percebe": uma "leitura inteligente" desse tratado.

"Consola pouco e descansa pouco os portugueses", disse Jerónimo de Sousa, que considerou que o tratado tem normas e sanções "claras" para quem não o cumprir.

O secretário-geral do PCP criticou também outras propostas do PS, como "o congelamento" de pensões e reformas, a da Taxa Social Única (TSU) (que disse que se traduziria em reformas mais baixas), a política de privatizações ou "a recusa" em recuperar os direitos perdidos dos trabalhadores nos últimos quatro anos.

Em relação aos Açores, Jerónimo de Sousa lamentou que prevaleça "a ideia" de que no arquipélago o PCP "não tem possibilidades" de eleger um deputado, "esquecendo ou omitindo" que "todos os votos vão contar" para reforçar a expressão da CDU.

"É do pequeno que se faz o grande. Aqui nos Açores temos condições para crescer também e para avançar", afirmou, sublinhando que há quatro anos os Açores tinham das taxas de desemprego mais baixas e hoje têm uma das mais elevadas e que a região enfrenta o mercado liberalizado do leite europeu, "inundado" pelos produtos dos países do norte.

"Quem vai dar resposta? PS, PSD e CDS, que votaram Assembleia da República e na União Europeia pelo fim das quotas [leiteiras]?", questionou.

O líder do PCP nos Açores, Aníbal Pires, considerou por seu turno que "a primeira tarefa" do PCP nos Açores nas eleições é mobilizar o eleitorado para votar, dado o elevado abstencionismo, "alimentado" pelo Governo Regional socialista e algumas forças políticas "que gostariam de deixar tudo como está".

Aníbal Pires, que encabeça a lista da CDU pelos Açores nas eleições deste ano, disse ainda que os deputados que têm sido eleitos pela região, pelo PS ou pelo PSD, "dizem uma coisa nos Açores e fazem outra completamente diferente na Assembleia da República", sendo tempo de dizer "lá se fazem, cá se pagam".

Lusa
  • Líder do PCP diz que não pode haver entendimento de políticas com o PS
    1:10

    Economia

    O secretário geral do partido comunista disse esta noite na SIC Notícias que não há um entendimento possível com o PS António Costa porque as políticas socialistas não são de rutura, mas uma espécie de retomar do PEC4. Entrevistado na Edição da Noite, Jerónimo de Sousa responsabilizou o PS por não procurar políticas de alternativa capazes de unir a esquerda.

  • As linhas chave do programa eleitoral da CDU
    2:10

    País

    Um programa nacional de combate à precariedade no emprego, maior investimento num Estado que teria o controlo de setores como a banca e a energia, além de uma renegociação da dívida de Portugal aos credores internacionais: são estas as linhas chave do programa eleitoral comunista. O PCP concorre às próximas eleições legislativas com os Verdes. A candidatura, encabeçada em Lisboa por Jerónimo de Sousa, apresenta-se como a única alternativa de governo contrária à alternância no poder da Direita e Partido Socialista.

  • Bruno de Carvalho manda SMS aos jogadores em nome dos jogadores. Confuso?

    Desporto

    De acordo com a imprensa desta manhã, o presidente do Sporting Clube de Portugal terá enviado mensagens escritas aos jogadores com o seguinte texto "Obrigado presidente pelas felicitações. Ainda temos muito para conquistar juntos" e assinou com o nome do jogador a quem enviou a mensagem. Uma aparente reação ao facto de nenhum dos jogadores ter respondido às mensagens escritas por Bruno de Carvalho, com incentivos e elogios antes e depois da vitória do Sporting frente ao Boavista.

  • Marcelo já sabia da substituição do embaixador de Angola
    4:00

    País

    O Presidente da República sabia há bastante tempo da substituição do embaixador de Angola em Lisboa e já tinha aprovado o nome do futuro representante de Luanda. A revelação foi feita, esta terça-feira, por Marcelo Rebelo de Sousa, numa conversa exclusiva com a SIC no Palácio de Belém. O Presidente contou ainda que não vai enviar recados ao Governo nem aos partidos no discurso de 25 abril que vai fazer na Assembleia da República.

    Exclusivo SIC

  • Chegaram os brinquedos de cartão para a consola
    6:24
  • O 10 de julho de 1941 na escrita de João Pinto Coelho
    15:09
  • Governo promete melhorar condições de 26 mil famílias
    1:23

    País

    O ministro do Ambiente explicou esta terça-feira, no Parlamento, as novas medidas para a habitação: reduzir os impostos para arrendamentos longos, melhorar as condições de 26 mil famílias e introduzir o arrendamento vitalício para maiores de 65 anos. Este é um investimento que vai chegar aos 1700 milhões de euros.

  • Pato em excesso de velocidade faz disparar radar numa estrada suíça
    1:31
  • Peixe-galo e batatas rosti, qual o cardápio do encontro entre os líderes das Coreias?

    Mundo

    O menu do encontro entre o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e o Presidente sul-coreano, Moon Jae-in, já foi dado a conhecer esta terça-feira. Através do site oficial do Governo, Seul anunciou um cardápio com vários pratos típicos da Península da Coreia, como dumplings ao vapor, arroz cultivado na Coreia, carne grelhada, salada fria com polvo, peixe-galo, batatas rosti e sopa fria.

    SIC

  • O vestido de noiva de Megan Markle
    1:17