sicnot

Perfil

País

Jerónimo de Sousa diz que PS propõe alternância, não alternativa

O secretário-geral do PCP disse hoje que aquilo o PS propõe "é alternância" e manutenção da "política de direita", sublinhando que os comunistas não podem "calar" as responsabilidades dos socialistas na situação do país.

NUNO VEIGA

"Não conseguimos encontrar essa alternativa [no PS]. O que o PS propõe é alternância, o que o PS propõe é ser Governo, mas no essencial é para continuar a mesma política", afirmou Jerónimo de Sousa, num almoço com apoiantes do PCP, na Horta, ilha do Faial, Açores.

Jerónimo de Sousa afirmou que nas eleições deste ano, "não basta derrotar o Governo da direita, é preciso derrotar a política de direita", lembrando "as responsabilidades do PS", que foi "quem convocou" 'a troika' e "subscreveu em primeiro lugar" o "pacto de agressão" com os credores estrangeiros, que depois "a direita concretizou".

"Podemos calar este facto, que o Partido Socialista também teve responsabilidades particulares neste processo?", questionou, acrescentando que o PS não "aprendeu a lição" e não se apresenta às eleições legislativas deste ano com uma política alternativa.

A este propósito, sublinhou que no programa do PS não há "uma linha" sobre a renegociação da dívida e que no caso de outro dos "bloqueios" para o país, o tratado orçamental europeu, que exige "uma redução do défice a mata cavalos", os socialistas apenas usam uma referência "que ninguém percebe": uma "leitura inteligente" desse tratado.

"Consola pouco e descansa pouco os portugueses", disse Jerónimo de Sousa, que considerou que o tratado tem normas e sanções "claras" para quem não o cumprir.

O secretário-geral do PCP criticou também outras propostas do PS, como "o congelamento" de pensões e reformas, a da Taxa Social Única (TSU) (que disse que se traduziria em reformas mais baixas), a política de privatizações ou "a recusa" em recuperar os direitos perdidos dos trabalhadores nos últimos quatro anos.

Em relação aos Açores, Jerónimo de Sousa lamentou que prevaleça "a ideia" de que no arquipélago o PCP "não tem possibilidades" de eleger um deputado, "esquecendo ou omitindo" que "todos os votos vão contar" para reforçar a expressão da CDU.

"É do pequeno que se faz o grande. Aqui nos Açores temos condições para crescer também e para avançar", afirmou, sublinhando que há quatro anos os Açores tinham das taxas de desemprego mais baixas e hoje têm uma das mais elevadas e que a região enfrenta o mercado liberalizado do leite europeu, "inundado" pelos produtos dos países do norte.

"Quem vai dar resposta? PS, PSD e CDS, que votaram Assembleia da República e na União Europeia pelo fim das quotas [leiteiras]?", questionou.

O líder do PCP nos Açores, Aníbal Pires, considerou por seu turno que "a primeira tarefa" do PCP nos Açores nas eleições é mobilizar o eleitorado para votar, dado o elevado abstencionismo, "alimentado" pelo Governo Regional socialista e algumas forças políticas "que gostariam de deixar tudo como está".

Aníbal Pires, que encabeça a lista da CDU pelos Açores nas eleições deste ano, disse ainda que os deputados que têm sido eleitos pela região, pelo PS ou pelo PSD, "dizem uma coisa nos Açores e fazem outra completamente diferente na Assembleia da República", sendo tempo de dizer "lá se fazem, cá se pagam".

Lusa
  • Líder do PCP diz que não pode haver entendimento de políticas com o PS
    1:10

    Economia

    O secretário geral do partido comunista disse esta noite na SIC Notícias que não há um entendimento possível com o PS António Costa porque as políticas socialistas não são de rutura, mas uma espécie de retomar do PEC4. Entrevistado na Edição da Noite, Jerónimo de Sousa responsabilizou o PS por não procurar políticas de alternativa capazes de unir a esquerda.

  • As linhas chave do programa eleitoral da CDU
    2:10

    País

    Um programa nacional de combate à precariedade no emprego, maior investimento num Estado que teria o controlo de setores como a banca e a energia, além de uma renegociação da dívida de Portugal aos credores internacionais: são estas as linhas chave do programa eleitoral comunista. O PCP concorre às próximas eleições legislativas com os Verdes. A candidatura, encabeçada em Lisboa por Jerónimo de Sousa, apresenta-se como a única alternativa de governo contrária à alternância no poder da Direita e Partido Socialista.

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.