sicnot

Perfil

País

Rebentamento de foguete causa um morto em Torres Vedras

Um acidente com um foguete vitimou mortalmente um homem de cerca de 50 anos, na localidade de Varatojo, no concelho de Torres Vedras, informou hoje o comandante dos bombeiros.

"Suspeitamos que tenha havido uma avaria no sistema de lançamento e que um foguete tenha rebentado fora de tempo, atingindo mortalmente o funcionário da empresa responsável pelo fogo-de-artifício", disse à agência Lusa o comandante dos Bombeiros de Torres Vedras, Fernando Barão.

O acidente ocorreu à meia-noite, aquando do lançamento de fogo-de-artifício no âmbito das festividades da localidade, no concelho de Torres Vedras, no distrito de Lisboa.

"O foguete atingiu a vítima por baixo do queixo, tendo-o decapitado de imediato, pelo que o óbito foi declarado no local e corpo transportado para o Instituto de Medicina local", acrescentou o comandante.

No local estiveram duas viaturas e cinco bombeiros da corporação de Torres Vedras, a VMER (viatura Médica de Emergência e Reanimação) do Hospital de Torres Vedras e a GNR.

Lusa
  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15

    Mundo

    Emmerson Mnangagwa é o sucessor de Robert Mugabe que regressou esta quarta-feira da África do Sul, onde estava refugiado. No primeiro discurso, o Presidente do Zimbabué falou de uma nova democracia no país. Mnangagwa, conhecido como crocodilo, é suspeito de atrocidades na guerra civil pós-independência. 

  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50