sicnot

Perfil

País

Diretores escolares criticam "medida avulsa" de militares nos recreios

Os diretores escolares criticaram hoje a "medida avulsa" do Governo em colocar militares das Forças Armadas a vigiar os recreios, lembrando que as escolas precisam é de assistentes operacionais com formação para lidar com os alunos.

Escolas querem alargar prazo de entrega da lista de funcionários excedentários (Arquivo Reuters)

Escolas querem alargar prazo de entrega da lista de funcionários excedentários (Arquivo Reuters)

© Charles Platiau / Reuters

O Conselho de Ministros aprovou, na passada quinta-feira, alterações a um diploma que permitem agora o recrutamento de elementos das Forças Armadas na reserva para fazer vigilância dentro das escolas.

Para a Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas (ANDAEP), esta é "uma medida avulsa, que não resolve o problema das escolas".

Filinto Lima, vice-presidente da ANDAEP, diz que "o ambiente nos recreios das escolas é muito diferente dos ambientes a que os militares estão habituados além de que serão selecionados militares na reserva, ou seja, pessoas mais velhas que, naturalmente, terão menos apetência para lidar com os adolescentes".

Além disso, lembra, a presença de militares nas escolas não responde aos pedidos feitos nos últimos anos pelos diretores, que gostariam que fosse aberto um concurso para contratar novos assistentes operacionais (os antigos contínuos).

"Esta é uma medida avulsa que nasceu do nada, porque os diretores nunca pediram nada disto. O que nós temos pedido são assistentes operacionais, que faltam nas escolas tanto em termos quantitativos como qualificativos", critica.

Muitos dos funcionários que atualmente executam tarefas de vigilância, trabalham nos pavilhões, balneários, bibliotecas ou cantinas, são recrutados pelos centros de emprego. 

"São pessoas que estão desempregadas e que, em muitos casos, nunca trabalharam numa escola. Há casos em que podem nem ter sensibilidade para estar numa escola. São provenientes de áreas muito distintas, podem vir da restauração ou serem cabeleireiras", explica.

Quando o ano letivo termina, os contratos também terminam e não podem ser renovados, mesmo quando os diretores escolares gostam do seu trabalho. 

Para os cofres do Estado, esta é uma opção mais barata, uma vez que além do subsídio de desemprego que já estavam a receber, ganham apenas mais uma bolsa e os subsídios de refeição e transporte que, segundo contas de Filinto Lima, rondam os 170 euros mensais.

No entanto, Filinto Lima lembra que "a segurança dos alunos passa também por ter funcionários em número suficiente e com formação adequada" e por isso acusa o Ministério das Finanças de "não ligar muito às escolas e achar que os funcionários não são importantes".



SIM //GC

Lusa/Fim



NewsSubjects:- Sociedade - Educação - Escolas - Ensino - alunos 

20150615T163222
  • A easyJet não está a oferecer bilhetes no Facebook. Cuidado, é uma burla

    País

    Se esteve no Facebook nos últimos dias, provavelmente reparou na oferta de dois bilhetes para uma viagem da easyJet, a propósito do 22.º aniversário da companhia aérea britânica. Uma viagem para dois tinha tudo para correr bem, não fosse um esquema de burla, criado para obter os dados pessoais dos utilizadores que partilham a publicação na rede social.

  • Big Ben em silêncio durante quatro anos
    2:15

    Mundo

    Esta segunda-feira ficou marcada pelas últimas badaladas dos famosos sinos do Big Ben, em Londres, no Reino Unido. A torre, na qual está instalada o relógio mais famoso do mundo, vai entrar em obras e os sinos só vão voltar a tocar em 2021.

  • Garrafa lançada ao mar em Rhodes recebe resposta de Gaza
    1:43

    Mundo

    A história parece de filme, mas aconteceu numa praia de Gaza. Um casal britânico lançou uma garrafa com uma mensagem ao mar, em julho, na ilha grega de Rhodes. A garrafa foi encontrada por um pescador numa praia de Gaza, que aproveitou para enviar a resposta, na qual falou sobre as restrições impostas por Israel.