sicnot

Perfil

País

Guardas prisionais realizam nova vigília e período de greve

O Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP) anunciou esta segunda-feira que vai realizar, na terça-feira, uma vigília junto à residência do primeiro-ministro e um período de greve de três dias às diligências no exterior.

Esta será quarta vigília e do sexto período de greve que os guardas prisionais realizam desde março no âmbito dos protestos que estão a realizar para exigir a aplicação do estatuto profissional aprovado há mais de um ano, mas que ainda não foi aplicado. (Arquivo)

Esta será quarta vigília e do sexto período de greve que os guardas prisionais realizam desde março no âmbito dos protestos que estão a realizar para exigir a aplicação do estatuto profissional aprovado há mais de um ano, mas que ainda não foi aplicado. (Arquivo)

LUSA

Segundo o SNCGP, trata-se da quarta vigília e do sexto período de greve que os guardas prisionais realizam desde março no âmbito dos protestos que estão a realizar para exigir a aplicação do estatuto profissional aprovado há mais de um ano, mas que ainda não foi aplicado. 

O presidente do sindicato, Jorge Alves disse à agência Lusa que os guardas prisionais exigem a regulamentação do horário de trabalho, progressões nas carreiras, aprovação dos novos níveis remuneratórios e pagamento do subsídio de turno para quem faz noites.

Jorge Alves adiantou que, a 7 de maio, os elementos do sindicato mantiveram uma reunião com o secretário de Estado da Justiça, mas "até agora não houve resposta aos problemas".

"Já passou mais de um mês e não obtivemos qualquer resposta por isso é que decidimos avançar com estas formas de luta, como a vigília e um período de greve às diligências", sustentou.

De acordo com o sindicato, a greve vai realizar-se entre quarta-feira e sexta-feira e vai afetar as saídas ao exterior. 

"Não queremos prejudicar os reclusos por isso não decretamos uma greve total, a paralisação de três dias apenas diz respeito às saídas ao exterior", acrescentou.  

Em declarações à agência Lusa, a ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, afirmou que as greves dos guardas prisionais "são sistemáticas" e não encontra razões para estas paralisações.

"Não entendemos que haja razão, nem que haja algo de substantivo nelas, porque objetivamente tem-se reforçado os meios do sistema prisional", disse, adiantando que o Ministério da Justiça tem "feito tudo, desde aprovar o estatuto da guarda prisional até conseguir que se aprovasse o procedimento de ingresso de 400 guardas prisionais, o que neste momento não é fácil".
Lusa
  • Guardas prisionais iniciam greve de três dias

    País

    Os guardas prisionais iniciam hoje um novo período de greve de três dias e realizam uma vigília junto ao Ministério das Finanças, no âmbito dos protestos que estão a realizar para exigir a aplicação do estatuto profissional.

  • Ministra anuncia admissão de 400 guardas prisionais
    0:43

    País

    As chefias dos estabelecimentos prisionais entregam hoje no Ministério da Justiça os telemóveis de serviço. Um gesto simbólico para contestar as condições de trabalho a que estão sujeitos. Os guardas lembram que o estatuto profissional foi aprovado há mais de um ano, mas continua por regulamentar. A ministra da Justiça recomenda aos chefes das cadeias que aguardem "com tranquilidade" porque está em curso um concurso para a admissão de 400 novos guardas prisionais.

  • Guardas prisionais ameaçados por não atenderem os telefones de serviço
    2:03

    País

    Os guardas prisionais dizem que receberam ameaças disciplinares se não atenderem os telefones de serviço. Hoje foram entregar os telemóveis à ministra da Justiça. No entanto, o Ministério da Justiça recusou receber os aparelhos dos guardas que dirigem as prisões em Portugal. Sem alternativa, os telefones foram entregues na Direção-Geral dos Serviços Prisionais.

  • Dirigentes do GD Ribeirão acusados de auxílio à emigração ilegal
    1:34

    Desporto

    Oito dirigentes do Grupo Desportivo de Ribeirão, um clube de Vila Nova de Famalicão que fechou as portas em 2015, foram acusados pelo Ministério Público.Em causa, estão suspeitas de auxílio à emigração ilegal ou falsificação de documentos, relacionadas com transferências de jogadores estrangeiros em situação ilegal.

  • Capacetes Brancos agradecem Óscar para filme sobre a guerra na Síria
    1:34

    Óscares 2017

    O Óscar para melhor documentário curto foi atribuído a um filme sobre a guerra na Síria. "The White Helmets" retrata o trabalho dos Capacetes Brancos, uma equipa de voluntários que ajuda no salvamento e resgate de habitantes sírios atingidos pelo conflito no país. O Fundador dos Capacetes Brancos já veio fazer um agradecimento público pela atribuição deste galardão. Raed Saleh diz que é uma motivação para os voluntários que todos os dias arriscam a vida para salvar outras pessoas.

  • O primeiro eclipse solar do ano
    0:57
  • O Nokia 3310 está de volta
    1:16