sicnot

Perfil

País

Morreu António Marques Mendes, fundador do PPD

O advogado António Marques Mendes, fundador do Partido Popular Democrático (PPD)e pai de Luís Marques Mendes, morreu hoje aos 81 anos, no Porto, disse à Lusa fonte da família.

Segundo a mesma fonte, o social-democrata morreu no Hospital de Santo António, onde se encontrava internado há cerca de uma semana devido a problemas cardíacos. 

António Marques Mendes esteve envolvido na fundação do PPD em conjunto com Francisco Sá Carneiro, Francisco Pinto Balsemão, Mota Pinto, Mota Amaral, Alberto João Jardim e António Barbosa de Melo.

O funeral realiza-se na terça-feira, pelas 16:00, na Igreja de Arões, S. Romão, em Fafe.

António Marques Mendes, licenciado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, fez carreira como advogado.

O social-democrata ocupou os cargos de presidente da Câmara de Fafe e de deputado na Assembleia da República eleito pelo círculo de Braga nas I, III, IV, V e VI legislaturas.

António Marques Mendes foi ainda deputado europeu entre 1987 e 1994.


Lusa
  • BE diz que é urgente preparar o país para a saída do euro
    1:10

    País

    Catarina Martins diz que é urgente preparar o país para o cenário de saída do euro. No final da reunião da mesa nacional do Bloco de Esquerda, a coordenadora do partido criticou o encontro de líderes europeus em Roma e disse ainda que a Europa da convergência chegou ao fim.

  • "Mais UE não significa mais Europa"
    0:50

    País

    O secretário-geral do PCP insiste nas críticas à União Europeia. Um dia depois da comemoração dos 60 anos do Tratado de Roma, Jerónimo de Sousa defendeu, no Seixal, que o modelo europeu está esgotado e prejudica vários países, incluindo Portugal.

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".