sicnot

Perfil

País

Tribunal recusa ação popular sobre cortes salariais nos recibos verdes do Estado

O Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa recusou a ação popular da Associação de Combate à Precariedade para a anulação do despacho do Governo que avançou com os cortes salariais aos trabalhadores do Estado a recibos verdes.

Em declarações hoje à agência Lusa, Tiago Guillot, da Associação de Combate à Precariedade -- Precários Inflexíveis, considerou "inaceitável" a decisão do Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa, que rejeitou a ação popular apresentada em julho do ano passado.

A associação pretendia ver anulado um despacho do Ministério das Finanças relativo à redução remuneratória nos trabalhadores a recibos verdes, apesar de o Tribunal Constitucional ter chumbado o corte dos salários acima dos 675 euros no final de maio de 2014.

"A sentença demorou quase um ano e baseou-se num argumento unicamente formal e difícil de entender. O tribunal considerou que o despacho do Governo que ordenou a continuação da aplicação dos cortes aos recibos verdes é uma mera 'nota técnica' e 'não tem cariz vinculativo'", disse Tiago Guillot.

A ação popular é um direito que está previsto na Constituição da República Portuguesa e pode ser apresentada por qualquer cidadão, sem custos.

"Lamentamos a situação e, agora, não temos outra alternativa a não ser aceitar a sentença do tribunal. Continuamos a achar que temos razão, mas do ponto de vista legal não podemos fazer mais nada", sublinhou.

Segundo a associação, a decisão do tribunal vem reforçar o sentimento de impunidade e autorizar o Governo e as diversas chefias da administração pública a continuar a escandalosa ilegalidade e incumprimento dos mais básicos direitos laborais: o direito ao seu salário por inteiro.

Tiago Guillot lamentou também a opção do Ministério das Finanças de imputar custas à Associação de Combate à Precariedade. 

"Apesar de ser a própria legislação que prevê a necessidade de proteger as associações que representam interesses coletivos, isentando-as de custas neste tipo de ações, o ministério decidiu recorrer à possibilidade de passar para os Precários as suas custas no processo, ou seja, o Governo decidiu forçar o pagamento de mais de 400 euros à associação por tentar proteger o direito elementar ao salário", disse.

Tiago Guillot disse ainda à Lusa que a Associação está a aguardar uma resposta do Provedor de Justiça à queixa sobre o mesmo tema, que entregou também em julho do ano passado.



  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, fez 100 dias este sábado. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52