sicnot

Perfil

País

Guardas prisionais hoje em vigília junto à residência do primeiro-ministro

O Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP) promove hoje uma vigília junto à residência do primeiro-ministro, em Lisboa, para exigir progressões nas carreiras, horário de trabalho e subsídio de turno.

(Arquivo)

(Arquivo)

LUSA

A vigília vai decorrer entre as 11:00 e as 13:30 e é a quarta concentração que os guardas prisionais organizam desde março no âmbito dos protestos que estão a realizar para exigir a aplicação do estatuto profissional aprovado há mais de um ano, mas que ainda não foi aplicado.

O presidente do SNCGP, Jorge Alves, disse à agência Lusa que guardas prisionais exigem a regulamentação do horário de trabalho, progressões nas carreiras, aprovação dos novos níveis remuneratórios e pagamento do subsídio de turno para quem faz noites.

Além da vigília, os guardas prisionais vão também realizar, entre quarta-feira e sexta-feira, uma greve às diligências, que vai afetar as saídas ao exterior.

Jorge Alves justificou os protestos com a falta de resposta do Ministério da Justiça, tendo o secretário de Estado prometido, numa reunião no início de maio, uma solução a curto prazo, mas até agora não a concretizou.

O sindicalista disse ainda que o SNCGP vai realizar uma outra vigília em junho, junto à Presidência do Conselho de Ministros.

Em declarações à agência Lusa, a ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz, afirmou que as greves dos guardas prisionais "são sistemáticas" e não encontra razões para estas paralisações.

"Não entendemos que haja razão, nem que haja algo de substantivo nelas, porque objetivamente tem-se reforçado os meios do sistema prisional", disse, adiantando que o Ministério da Justiça tem "feito tudo, desde aprovar o estatuto da guarda prisional até conseguir que se aprovasse o procedimento de ingresso de 400 guardas prisionais, o que neste momento não é fácil".



Lusa

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.