sicnot

Perfil

País

Erros nas traduções de placas toponímicas em Angra do Heroísmo geram contestação

As mais recentes placas toponímicas da cidade de Angra do Heroísmo, na ilha Terceira, estão a ser alvo de crítica devido a vários erros na tradução, mas a autarquia já disse que vai corrigir os casos mais graves.

ARMANDO FRANCA

"Naquelas que têm os erros mais flagrantes está a ser estudada uma possibilidade de as corrigir, o que será feito em devido tempo", salientou, em declarações à Lusa, o presidente da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo, Álamo Meneses.

A autarquia distribuiu pelas principais ruas e edifícios do centro histórico da cidade Património Mundial da Humanidade placas, cujo modelo foi aprovado pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) e é semelhante aos utilizados noutras cidades, como Lisboa, Leiria ou Porto. 

No entanto, a versão em inglês traduziu também os nomes das ruas e, nalguns casos, alterou o significado. 

A "Straight Street" (Rua Direita) e o "Top of the Holes" (Alto das Covas) são dois dos nomes que mais têm originado críticas, mas a troca de uma letra fez também com que Pêro Anes do Canto passasse de enterrado (em português) a internado (em inglês) na Sé Catedral.

Há também uma placa que identifica um rio em Angra do Heroísmo, em vez de uma ribeira, e a câmara municipal é descrita em inglês como "Town Hall", em vez de "City Hall".

Teresa Silva Ribeiro, tradutora profissional a viver em Angra do Heroísmo, detetou vários erros nas placas e, em declarações à Lusa, disse acreditar que as traduções não foram feitas por um tradutor, nem foram revistas por um nativo de língua inglesa.

"É de lamentar. Como tradutora, dói-me muito ver aquelas placas", salientou, alegando que não basta ter um curso de línguas para se estar apto a traduzir.

Na opinião de Teresa Silva Ribeiro, as placas pecam, em primeiro lugar, pela tradução dos nomes, que quebra uma das regras básicas da tradução, e muitas têm "erros notórios" que um turista nativo de língua inglesa identificará rapidamente. 

Também os partidos da oposição na autarquia (PSD e CDS) já criticaram os "erros grosseiros" nas placas toponímicas, alertando para a possibilidade de se tornarem em motivo de "chacota" e de Angra do Heroísmo passar a ser conhecida como "Cidade Património Mundial do Humor".

"Está na altura de a Câmara de Angra assumir o erro, pedir desculpa e mandar retirar estas placas de sinalização turística, procedendo à correção das que puderem ser corrigidas", salientam os dois partidos numa recomendação à autarquia, entregue na Assembleia Municipal. 

Questionado pela Lusa, o autarca admitiu que "algumas das traduções são manifestamente infelizes e nalguns caos fatualmente erradas", mas garantiu que foram feitas por um instituto da especialidade e por "alguém britânico". 

"Também tem essa diferença. Algumas das palavras para quem está mais habituado ao inglês americano não soam tão bem como isso. Nalguns casos são um pouco infelizes, mas o gosto de cada um não pode ser aferido por estas coisas", salientou.

Álamo Meneses disse que ninguém do atual executivo camarário esteve "envolvido no assunto", uma vez que o projeto vinha de anteriores mandatos, acrescentando que ninguém confirmou as traduções, porque confiaram no que estava feito.  

O presidente da Câmara Municipal de Angra do Heroísmo adiantou que a autarquia está a analisar "placa a placa" para corrigir os "casos mais graves", mas salientou que "a informação que lá está não é a parte mais importante", já que normalmente estas placas servem apenas como "marcadores geográficos". 

"As placas são bonitas, ficam bem na cidade. A maior parte delas está bem. Em 25, há algumas com uns erros, há de resolver-se", frisou.

O autarca rejeitou que os nomes das ruas tenham sido traduzidos, alegando que só quando é "relevante para a explicação" é apresentado o nome em inglês, em itálico, como na Rua Direita ("Straight Street"), onde considerou fundamental a tradução para explicar o porquê da rua se chamar Direita. 

As placas vão ser agora complementadas com um código QR, que vai permitir que qualquer pessoa com um telemóvel inteligente possa aceder a informação mais pormenorizada, em diferentes línguas, mas Álamo Meneses realçou que desta vez a autarquia vai ter "muito cuidado" para que não se cometam erros.

  • Marcelo Rebelo de Sousa avisou que depois das autárquicas viria um novo ciclo. A lógica levou-nos a assumir que estava a falar do PSD, mas hoje, olhando para a situação política, devemos também incluir nessa previsão a “geringonça” e os seus equilíbrios. Não acredito que as coisas mudem até às legislativas, mas as contas só se fazem depois dos votos das autárquicas. Até lá, o tom de voz das esquerdas vai engrossar.

    Bernardo Ferrão

  • "GPS cerebral" pode ser a chave para doenças neurodegenerativas
    1:28

    País

    A cimeira mundial do Alzheimer, a decorrer na Fundação Champalimaud em Lisboa, está a mostrar as últimas novidades na luta contra as demências. O Nobel da Medicina John O'Keefe, que tem partilhado as descobertas dos últimos anos, salientou a mais importante, que diz respeito ao mecanismo de orientação do cérebro.

  • Ministro da Segurança Social admite hipótese de aumento de pensões em 2018
    0:47

    Economia

    O ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social não exclui a hipótese de haver um novo aumento extraordinário nas pensões, no próximo ano. Vieira da Silva diz que as negociações ainda não estão fechadas e sublinha que a única garantia que pode dar é que as reformas vão voltar a ser atualizadas em 2018 de acordo com a inflação.

  • Mais de 5.400 mortos nas estradas desde 2010

    País

    Desde o início desta década e até à semana passada morreram nas estradas portuguesas 5.424 pessoas, com os acidentes rodoviários a provocarem um prejuízo económico superior a 15 mil milhões de euros.

  • Mexicana dá a luz na rua durante sismo

    Mundo

    No meio da tormenta, uma bênção: o trágico sismo que abalou o México esta semana encontrou Jessica Mendoza, grávida, a caminho do hospital para o tão ansiado parto. Mas o pior da natureza antecipou-se ao melhor e o nascimento foi, no mínimo, agitado.

    SIC

  • Presidente das Filipinas pede que matem o filho se estiver envolvido nas drogas

    Mundo

    O Presidente das Filipinas pediu que matassem o seu filho se as acusações de que traficava droga fossem provadas. Rodrigo Duterte destacou ainda que, caso fosse verdade, iria proteger as autoridades que executassem Paolo Duterte. Em causa está a acusação de que o filho do Presidente filipino faria parte da máfia chinesa, que contrabandeia drogas, vindas da China para dentro do país.

    SIC

  • Trump fez discurso de "gangster" na ONU

    Mundo

    O guia supremo da República Islâmica do Irão, o 'ayatollah' Ali Khamenei, qualificou esta quinta-feira de "linguagem de 'cowboy' e de 'gangster'" a violenta crítica na ONU do presidente norte-americano, Donald Trump, contra Teerão.

  • Deputado do Canadá pede desculpa por chamar "Barbie do Clima" a ministra

    Mundo

    O deputado da província de Saskatchewan, no Canadá, chamou na terça-feira a ministra do Ambiente de "Barbie do Clima". Catherine McKenna não gostou de ser apelidada desta forma e acusou Gerry Ritz de ter um comportamento sexista. Após a crítica, foram precisos apenas 20 minutos para o deputado fazer um pedido de desculpas à ministra.

  • Espanhola tenta provar há sete anos que está viva

    Mundo

    Uma mulher de 53 anos está há sete anos a tentar provar que está viva. Segundo o Estado espanhol, Juana Escudero Lezcano morreu a 13 de maio de 2010, mas na realidade quem morreu foi uma mulher com o mesmo nome e data de nascimento.

    SIC

  • Como acabar com o cyberbulling? Os internautas aconselham Melania Trump

    Mundo

    Melania Trump está a ser alvo de piadas na internet, depois de ter dado um discurso, a propósito da Assembleia-Geral da ONU, sobre cyberbulling. Uns destacaram que a primeira-dama estava a falar de pobreza com um vestido de 3.000 dólares (cerca de 2.500 euros). Outros lembraram a ironia do discurso com as atitudes de Donald Trump, acusando-o de ser um bullie, que deveria ser parado, e que o primeiro passo seria impedir a presença o Presidente norte-americano no Twitter.

    SIC