sicnot

Perfil

País

Guardas prisionais em greve de três dias às diligências no exterior

O Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP) inicia hoje uma greve de três dias às diligências no exterior, paralisação que vai afetar as saídas dos reclusos para os tribunais e consultas de saúde não urgentes.

Para o fim de semana, o sindicato tem marcado uma greve total, sendo apenas assegurados os serviços mínimos, segundo o presidente do SNCGP, Jorge Alves.

Trata-se do sexto período de greve que os guardas prisionais realizam desde março, no âmbito dos protestos para exigir a aplicação do estatuto profissional aprovado há mais de um ano, mas que ainda não foi aplicado.

Em causa está a regulamentação do horário de trabalho, progressões nas carreiras, aprovação dos novos níveis remuneratórios e pagamento do subsídio de turno para quem faz noites, questões previstas no estatuto profissional aprovado há mais de um ano, mas que ainda não foi aplicado. 

Na terça-feira, o SNCGP organizou uma vigília junto à residência do primeiro-ministro, onde pediram uma intervenção de Pedro Passos Coelho, devido à "enorme falta de vontade" dos ministérios da Justiça e da Finanças para resolverem os problemas da classe e do sistema prisional.

Segundo Jorge Alves, atualmente existem cerca de 4.000 guardas prisionais para um universo de mais de 14.000 reclusos e há um aumento da violência entre presos.



Lusa

  • Sindicato dos guardas prisionais exige que Governo cumpra lei
    1:14

    País

    Os guardas prisionais realizaram hoje uma vigília junto à residência do primeiro-ministro, em Lisboa, em protesto contra as atuais condições de trabalho. O sindicato acusa o Governo de não querer cumprir a lei - tanto na tabela remuneratória como no estatuto da carreira, aprovado há mais de um ano mas que não sai do papel.

  • Guardas prisionais ameaçados por não atenderem os telefones de serviço
    2:03

    País

    Os guardas prisionais dizem que receberam ameaças disciplinares se não atenderem os telefones de serviço. Hoje foram entregar os telemóveis à ministra da Justiça. No entanto, o Ministério da Justiça recusou receber os aparelhos dos guardas que dirigem as prisões em Portugal. Sem alternativa, os telefones foram entregues na Direção-Geral dos Serviços Prisionais.

  • Ministra anuncia admissão de 400 guardas prisionais
    0:43

    País

    As chefias dos estabelecimentos prisionais entregam hoje no Ministério da Justiça os telemóveis de serviço. Um gesto simbólico para contestar as condições de trabalho a que estão sujeitos. Os guardas lembram que o estatuto profissional foi aprovado há mais de um ano, mas continua por regulamentar. A ministra da Justiça recomenda aos chefes das cadeias que aguardem "com tranquilidade" porque está em curso um concurso para a admissão de 400 novos guardas prisionais.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.