sicnot

Perfil

País

Parlamento propõe adiamento de iniciativa de cidadãos sobre aborto para próxima legislatura

A conferência de líderes decidiu hoje não agendar a discussão da Iniciativa Legislativa de Cidadãos pelo "direito a nascer" e que o presidente da Assembleia em exercício contacte os promotores propondo-lhes que transite para a próxima legislatura.

© Hugo Correia / Reuters

A iniciativa legislativa de cidadãos "lei de apoio à maternidade e à paternidade - do direito a nascer" propõe o fim da "equiparação entre Interrupção Voluntária da Gravidez e maternidade" nas prestações sociais e que seja mostrada à mulher uma ecografia antes de interromper a gravidez, entre outras medidas.

O porta-voz da conferência de líderes explicou que, de acordo com a lei, "há direito ao agendamento" da iniciativa, mas se houvesse votação na generalidade e o processo não fosse depois concluído, com discussão na especialidade e votação final global, a iniciativa legislativa caducava.

Duarte Pacheco (PSD) explicou que a lei permite que, sem votação, a iniciativa seja retomada na próxima legislatura, mediante a apresentação de um requerimento por parte dos promotores.

O presidente da Assembleia da República em exercício, Guilherme Silva - Assunção Esteves está em visita oficial à Guiné -, irá contactar os promotores da iniciativa e expor-lhes a matéria.

De acordo com o porta-voz da conferência de líderes, todos os partidos aceitaram a sugestão de Guilherme Silva de contactar os promotores.

A iniciativa legislativa de cidadãos chegou ao gabinete da presidente, Assunção Esteves, no dia 3 de junho, vinda da Comissão de Assuntos Constitucionais, e o assunto foi tratado na conferência de líderes imediatamente seguinte a essa data, a reunião que se realizou hoje, disse Duarte Pacheco.

No dia 2 de junho os promotores da iniciativa foram ouvidos na Comissão de Assuntos Constitucionais e PSD e CDS-PP comprometeram-se a analisar a iniciativa legislativa de cidadãos.

A iniciativa legislativa de cidadãos recolheu cerca de 50 mil assinaturas, 38 mil das quais reconhecidas, de acordo com a informação prestada então pelo presidente da Comissão parlamentar, Fernando Negrão (PSD).

Isilda Pegado, em representação dos promotores, recusou nessa audição que se pretenda reabrir o debate do referendo à interrupção voluntária da gravidez, argumentando que não tem cariz penal, mas social, de apoio à maternidade e à paternidade.

No memorando explicativo da iniciativa, os promotores afirmam que aquela pretende "apoiar a família, a maternidade e paternidade responsáveis em meio profissional e social", bem como "pôr termo à atual equiparação entre IVG [Interrupção Voluntária da Gravidez] e maternidade, para efeitos de prestações sociais, eliminando o seu carácter universal e atendendo a fatores de saúde e de condição de recursos".

"Acompanhar o consentimento informado da grávida, dado ao aborto, com consulta interdisciplinar e subscrição do documento ecográfico impresso", é outro dos objetivos enunciados, assim como "promover o apoio à gravidez dado pelo outro progenitor ou, por outro familiar que a grávida não afaste".

No texto lê-se que a iniciativa pretende também "dignificar o estatuto do objetor de consciência", e "apoiar a grávida em risco de aborto para suprir, caso o queira, as dificuldades que se lhe apresentam", bem como "reconhecer expressamente o direito a nascer" e "reconhecer o nascituro como membro do agregado familiar".

Lusa
  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.