sicnot

Perfil

País

Passos promete estudar redução da carga burocrática dos professores

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, considerou esta quarta-feira que é difícil saber como se pode reduzir a carga burocrática dos professores portugueses, mas prometeu estudar mais o assunto para ver em que medida é possível ir mais longe.

O primeiro-ministro acompanhado pelo ministro da Educação, Nuno Crato.

O primeiro-ministro acompanhado pelo ministro da Educação, Nuno Crato.

Lusa

"Há uma dimensão que ainda não está inteiramente bem estudada e que nós iremos aprofundar, dentro da medida das possibilidades, que é saber o que é que de tarefas mais administrativas nós podemos ainda reduzir quando olhamos para o nosso pessoal docente, para os professores", afirmou.

Pedro Passos Coelho abordou este tema durante uma iniciativa do Ministério da Educação e Ciência, no Teatro Thalia, em Lisboa, depois de apontar uma reforma do Estado centrada na "simplificação de procedimentos" como o "grande objetivo de uma próxima legislatura".

Na sua intervenção, o chefe do executivo PSD/CDS-PP falou também no abandono escolar, declarando: "Nós tínhamos a meta de alcançar uma taxa de abandono escolar não superior a 10% até 2020. Parece-nos nesta fase muito difícil atingi-la, mas seria mau que abandonássemos esse objetivo, esse propósito". 

No que respeita aos procedimentos administrativos no setor da educação, o primeiro-ministro elogiou o trabalho feito, mas referiu que a carga burocrática dos professores "é uma queixa que aparece com muita frequência, sobretudo nos últimos anos", acrescentando: "Temos uma certa dificuldade em avaliar exatamente o que é que podemos aliviar de todos esses procedimentos administrativos".  

Passos Coelho disse ter trocado impressões com o ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, sobre o assunto e que este lhe deu conta de que Portugal está "bastante bem" nesta matéria em termos comparativos, no quadro da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económicos (OCDE).

"A carga burocrática que é exigida aos nossos professores - em relatórios, reportes que tenham de fazer, na organização do seu trabalho escolar - não andará muito longe daquilo que se regista noutros países", realçou.

Neste contexto, Passos Coelho concluiu: "Nós temos a obrigação de clarificar um bocadinho melhor esta questão e ver em que medida podemos ir mais longe e melhorar - com isso ajudaremos também a melhorar a média da OCDE - para colocar os nossos professores, tanto quanto possível, naquilo que é a disponibilidade da sua missão principal, que é organizar os tempos letivos, dar as aulas, evidentemente, e ao mesmo tempo preparar as suas lições".
Lusa
  • A morte das sondagens foi ligeiramente exagerada

    Um atentado sem efeitos eleitorais, sondagens que acertaram em praticamente tudo, inexistência do chamado eleitorado envergonhado. E um candidato que se situa no centro político com fortíssimas hipóteses de vencer a segunda volta. As presidenciais francesas tiveram uma chuva de acontecimentos anormais, mas acabam por ser um choque de normalidade. Pelo menos até agora...

    Ricardo Costa

  • "O FC Porto não merece ser campeão"
    2:23
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    O empate do FC Porto com o Feirense foi o principal assunto do Play-Off da SIC Notícias, este domingo. Rodolfo Reis mostrou-se insatisfeito com a atitude dos jogadores do FC Porto.

  • Défice recua em 2016 na zona euro e na UE

    Economia

    O défice e a dívida baixaram na zona euro e na União Europeia (UE) em 2016 face a 2015, tendo Portugal registado a terceira maior dívida (130,4%) entre os Estados-membros e um défice de 2%, segundo o Eurostat.

  • Incêndio na Amadora deixa 12 pessoas desalojadas
    1:59

    País

    Um incêndio destruiu este domingo a cobertura de um prédio de habitação na Buraca, no concelho da Amadora. Doze pessoas ficaram desalojadas, mas ninguém ficou ferido. Os bombeiros dominaram o fogo em cerca de uma hora, os moradores queixam-se da falta de eficácia no combate às chamas.

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa