sicnot

Perfil

País

Placas a proibir surf retiradas na Praia da Barra

As placas que proibiam a prática de surf na Praia da Barra, Ílhavo, foram hoje retiradas, confirmou o presidente da Câmara, Fernando Caçoilo, referindo ter sido encontrada "uma solução de equilíbrio".

SIC

"A questão está resolvida e já foram retiradas as placas de proibição", esclareceu.

Os surfistas que frequentam a praia da Barra foram surpreendidos nos últimos dias pela colocação de placas proibindo a modalidade, praticada desde há anos naquela praia e por ações de fiscalização da Polícia Marítima.

A polémica medida surgiu após uma queixa apresentada à Capitania e teve por base o Plano de Ordenamento da Orla Costeira Ovar - Marinha Grande, aprovado em 2000, que interdita a prática da modalidade nas áreas balneares concessionadas.

A solução encontrada para conciliar os interesses entre surfistas e banhistas radica na interpretação que é dada à Lei pelo Instituto de Socorros a Náufragos, o qual considera que a zona vigiada das praias concessionadas não vai além de uma faixa de 50 metros da linha de costa.

"Estivemos envolvidos nos últimos dias a trabalhar em conjunto com as autoridades no sentido de arranjar uma solução de equilíbrio, sabendo que a proibição faz parte da Lei, o que nos levou à interdição na faixa de cinquenta metros. É preciso que estas questões sejam tratadas com equilíbrio e bom senso e é isso que se tentou nos últimos dias".

Com cerca de dois quilómetros de praia concessionada, os surfistas deixavam de ter condições para a prática da modalidade, devido à interpretação restritiva da Lei que estava a ser feita, conforme explicou ontem à Lusa o presidente da Associação de Surf de Aveiro, admitindo que hoje o problema fosse ultrapassado, na sequência de reuniões havidas com as várias entidades envolvidas.



Lusa
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.