sicnot

Perfil

País

Placas a proibir surf retiradas na Praia da Barra

As placas que proibiam a prática de surf na Praia da Barra, Ílhavo, foram hoje retiradas, confirmou o presidente da Câmara, Fernando Caçoilo, referindo ter sido encontrada "uma solução de equilíbrio".

SIC

"A questão está resolvida e já foram retiradas as placas de proibição", esclareceu.

Os surfistas que frequentam a praia da Barra foram surpreendidos nos últimos dias pela colocação de placas proibindo a modalidade, praticada desde há anos naquela praia e por ações de fiscalização da Polícia Marítima.

A polémica medida surgiu após uma queixa apresentada à Capitania e teve por base o Plano de Ordenamento da Orla Costeira Ovar - Marinha Grande, aprovado em 2000, que interdita a prática da modalidade nas áreas balneares concessionadas.

A solução encontrada para conciliar os interesses entre surfistas e banhistas radica na interpretação que é dada à Lei pelo Instituto de Socorros a Náufragos, o qual considera que a zona vigiada das praias concessionadas não vai além de uma faixa de 50 metros da linha de costa.

"Estivemos envolvidos nos últimos dias a trabalhar em conjunto com as autoridades no sentido de arranjar uma solução de equilíbrio, sabendo que a proibição faz parte da Lei, o que nos levou à interdição na faixa de cinquenta metros. É preciso que estas questões sejam tratadas com equilíbrio e bom senso e é isso que se tentou nos últimos dias".

Com cerca de dois quilómetros de praia concessionada, os surfistas deixavam de ter condições para a prática da modalidade, devido à interpretação restritiva da Lei que estava a ser feita, conforme explicou ontem à Lusa o presidente da Associação de Surf de Aveiro, admitindo que hoje o problema fosse ultrapassado, na sequência de reuniões havidas com as várias entidades envolvidas.



Lusa
  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05