sicnot

Perfil

País

Placas a proibir surf retiradas na Praia da Barra

As placas que proibiam a prática de surf na Praia da Barra, Ílhavo, foram hoje retiradas, confirmou o presidente da Câmara, Fernando Caçoilo, referindo ter sido encontrada "uma solução de equilíbrio".

SIC

"A questão está resolvida e já foram retiradas as placas de proibição", esclareceu.

Os surfistas que frequentam a praia da Barra foram surpreendidos nos últimos dias pela colocação de placas proibindo a modalidade, praticada desde há anos naquela praia e por ações de fiscalização da Polícia Marítima.

A polémica medida surgiu após uma queixa apresentada à Capitania e teve por base o Plano de Ordenamento da Orla Costeira Ovar - Marinha Grande, aprovado em 2000, que interdita a prática da modalidade nas áreas balneares concessionadas.

A solução encontrada para conciliar os interesses entre surfistas e banhistas radica na interpretação que é dada à Lei pelo Instituto de Socorros a Náufragos, o qual considera que a zona vigiada das praias concessionadas não vai além de uma faixa de 50 metros da linha de costa.

"Estivemos envolvidos nos últimos dias a trabalhar em conjunto com as autoridades no sentido de arranjar uma solução de equilíbrio, sabendo que a proibição faz parte da Lei, o que nos levou à interdição na faixa de cinquenta metros. É preciso que estas questões sejam tratadas com equilíbrio e bom senso e é isso que se tentou nos últimos dias".

Com cerca de dois quilómetros de praia concessionada, os surfistas deixavam de ter condições para a prática da modalidade, devido à interpretação restritiva da Lei que estava a ser feita, conforme explicou ontem à Lusa o presidente da Associação de Surf de Aveiro, admitindo que hoje o problema fosse ultrapassado, na sequência de reuniões havidas com as várias entidades envolvidas.



Lusa
  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43