sicnot

Perfil

País

Primeiro-ministro abre duplo debate quinzenal no parlamento

 O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, abre na sexta-feira o debate quinzenal na Assembleia da República, que deverá ser dominado pela situação da Grécia e a privatização da TAP.

Thanassis Stavrakis

O debate quinzenal será duplo, seguido do debate preparatório do Conselho Europeu de 25 e 26 de junho, tendo Pedro Passos Coelho indicado como tema da intervenção de abertura do primeiro debate "questões de relevância política, económica e social". 

A privatização da TAP deverá ser abordada no debate de escrutínio da atividade do Governo pelo parlamento, depois de o Executivo ter vendido a transportadora área portuguesa a privados, perante a crítica generalizada da oposição.

O Governo anunciou há uma semana a venda do grupo TAP, dono da transportadora aérea nacional, ao consórcio Gateway, do empresário norte-americano e brasileiro David Neeleman e do empresário português Humberto Pedrosa. 

A situação da Grécia deverá ser outro tema praticamente inevitável, quando o país helénico, liderado pelo primeiro-ministro, Alexis Tsipras, está a menos de duas semanas de expirar o programa de assistência financeira e da data limite de pagar 1,6 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional.

No último debate quinzenal, no dia 5 de junho, os cortes nas pensões marcaram o debate, também pautado pela situação da Grécia, com o chefe do executivo a defender que "há algumas lições" a tirar do caso grego: "A primeira é a de que processos de negociações que arrastem um nível elevado de incerteza têm custos políticos, sociais e económicos elevados".

"As escolhas políticas que fazemos têm consequências. E essas consequências normalmente são pagas pelos próprios e pelos vizinhos", disse Passos Coelho, numa resposta ao líder parlamentar do PSD.

O último debate foi aberto pelo secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, que acusou o Governo de "entrar de chancas" a cortar e quis esclarecer o noticiado corte de 600 milhões de euros nas pensões, mas o primeiro-ministro negou tal intenção, reiterando a necessidade de consenso.

No mesmo sentido, a porta-voz do BE, Catarina Martins, acusou o executivo de fazer dos pensionistas o seu "porquinho mealheiro".

O líder da bancada do PS, Ferro Rodrigues, acusou o primeiro-ministro de enviar para Bruxelas, em maio, um documento referente ao seu contributo para o aprofundamento da União Económica e Monetária (UEM) sem qualquer debate interno e de, por outro lado, reconduzir Carlos Costa no cargo de governador do Banco de Portugal sem qualquer diálogo prévio, designadamente com o PS.

Lusa
  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.