sicnot

Perfil

País

CGTP defende urgência de novas políticas da UE sobre imigração

O secretário-geral da CGTP defendeu hoje a urgência de a União Europeia (UE) mudar de políticas em relação à imigração, investindo nos países de origem dos imigrantes, e considerou que até agora apenas houve "declarações hipócritas".

MANUEL DE ALMEIDA

"Quando se avança com barcos de guerra para controlar a imigração é estar a dizer que se está a fugir do problema de fundo", disse Arménio Carlos à Lusa quando participava numa iniciativa da central sindical contra o que chamou de "tragédia do Mediterrâneo", onde muitas centenas de imigrantes têm morrido a tentar chegar à Europa.

A iniciativa da CGTP decorreu ao fim da tarde na rua do Carmo, em Lisboa, e apesar da música, microfones e discursos passou "ao lado" dos que circulavam no local, a maior parte turistas. Ainda assim associaram-se à ação outras organizações como o Movimento Democrático das Mulheres, o Conselho Português para a Paz e Cooperação ou o Movimento Erradicar a Pobreza.

Tudo no âmbito de dois dias de ações idênticas em vários países, uma "jornada mundial de solidariedade" para que "se pare a tragédia do mediterrâneo, agora".

"Quando verificamos que pessoas estão a fugir de uma guerra para não morrer, e acabam por morrer no mar quando fugiam para viver, é evidente que estamos perante uma situação inadmissível e que implica medidas de fundo e não declarações hipócritas como se tem verificado nos últimos tempos, nomeadamente na UE", justificou Arménio Carlos, defendendo a necessidade de parar as guerras nos países de origem da imigração, o que não tem acontecido por causa do "negócio das armas" e da "apropriação dos recursos naturais" desses países.

O que devia de acontecer, acrescentou, era investir na paz e no desenvolvimento económico desses países, criando empregos, fixando as pessoas e dando-lhes dignidade. O que não devia acontecer na Europa, acrescentou, é o aumento da xenofobia. O dirigente deu como exemplo a pretensão da Hungria de construi um muro que a proteja da imigração sérvia, ou a legislação na Alemanha que vai afetar os imigrantes.

Com um cartaz onde se lia "Respeito pelos direitos dos povos, paz na região mediterrânica", os poucos presentes ouviram sobre este assunto, além do secretário-geral, outros dois dirigentes sindicais, que recusaram as políticas da UE sobre a imigração, as quais não podem assentar "em medidas de circunstância".

E lembrou-se que desde o início do ano já morreram afogadas no mar Mediterrâneo mais de 1.500 pessoa s, criticou-se uma Europa que "parece ter perdido a memória" e com uma "absoluta ausência de humanismo, de solidariedade e de respeito pelos mais elementares direitos humanos".

Lusa
  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.