sicnot

Perfil

País

Sindicato do Ministério Público afirma que ministra da Justiça "morreu politicamente"

O secretário-geral do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMPP) Filipe Preces disse esta sexta-feira que a ministra da Justiça "morreu politicamente" ao não apresentar a proposta de Estatuto do Ministério Público.

A ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz.

A ministra da Justiça, Paula Teixeira da Cruz.

Lusa

Em declarações aos jornalistas, em conferência de imprensa realizada na Figueira da Foz, Filipe Preces frisou que o SMPP desconhece "em absoluto" a proposta da tutela para o Estatuto do Ministério Público.  

"Nós desconhecemos em absoluto um documento que a senhora ministra diz ter. Mas dizendo tê-lo, nunca o exibiu para que pudéssemos discutir, analisar e ver que soluções é que são consagradas", alegou. 

Adiantou que o sindicato aguarda "serenamente" pela proposta mas possui "perfeita consciência de que os 'timings' políticos para a aprovação do Estatuto exauriram-se". 

"Não temos vãs esperanças de que haja um qualquer retrocesso que possa significar a abertura de um processo negocial. A senhora ministra, politicamente e isso o sindicato tem que o dizer, morreu", afirmou Filipe Preces. 

Considerou que Paula Teixeira da Cruz ", não é, neste momento, uma interlocutora válida do sindicato", dizendo que foi a ministra que se colocou nessa posição (alegadamente por recusar reunir com a estrutura sindical) levando ao apelo para que o primeiro-ministro intervenha, hoje feito pelo SMMP.

Já o presidente do SMMP, António Ventinhas, disse que processo do Estatuto "acabou" e que a ministra "deixou de dialogar" com o sindicato e o ministério "deixou de atender chamadas" da direção da estrutura sindical. 

Na conferência de imprensa, realizada antes da sessão de abertura das "Jornadas Sobre a Corrupção", promovidas pelo SMMP, Associação Sindical dos Juízes Portugueses e Conselho Distrital de Coimbra da Ordem dos Advogados, Filipe Preces aplaudiu a postura de Paula Teixeira da Cruz em votar contra a procuradoria europeia (por a ministra considerar que poderia por em causa a autonomia do Ministério Público) mas disse estranhar que a atitude da ministra da Justiça "não seja consequente com a sua politica interna". 

"Provavelmente, outras questões haverá de política interna conexas com a área da Justiça, que determinam esse comportamento, se quisermos, quase esquizofrénico da senhora ministra que lá fora defende uma coisa e cá dentro faz outra", acusou Filipe Preces.
Lusa
  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • O ano "saboroso" de António Costa
    0:51

    País

    António Costa diz que 2017 foi um ano "saboroso" para Portugal. Num encontro com funcionários portugueses, em Bruxelas, antes do Conselho Europeu desta quinta-feira, o primeiro-ministro realçou o que o país conquistou no último ano, no plano europeu, e que culminou com a eleição de Mário Centeno para a Presidência do Eurogrupo.

  • Lince ibérico esteve à venda no OLX

    País

    Um anúncio de venda de um lince ibérico, por 1.500 euros, foi publicado esta semana no site de classificados OLX, com uma morada de Alcoutim, no Algarve. A autenticidade da publicação não foi confirmada, mas em setembro foi encontrada a coleira de um lince ibérico precisamente em Alcoutim. As autoridades estão a investigar.

    SIC

  • Estabilização dos solos nas áreas ardidas
    1:58

    País

    Está a começar uma intervenção de emergência para estabilizar os solos nas áreas ardidas nos incêndios florestais. O trabalho das equipas que estão no terreno arrancou na zona da Lousã mas vai passar por vários concelhos como Pampilhosa da Serra e Vila Real.