sicnot

Perfil

País

António Costa acusa Passos Coelho de continuar a negar a realidade do país

O secretário-geral do PS, António Costa, acusou hoje o primeiro-ministro de continuar a negar a realidade do país e "não ter consciência" das dificuldades causadas às pessoas com rendimentos mais baixos que sofreram cortes nas prestações sociais.

Lusa

Ao participar na sessão de encerramento da Convenção Regional do PS do Algarve, em Portimão, António Costa criticou Pedro Passos Coelho pelas declarações proferidas na sexta-feira na Assembleia da República, onde o primeiro-ministro afirmou que as pessoas com rendimentos mais baixos não tinham sido sujeitas a cortes.

"O que o primeiro-ministro disse não é, pura e simplesmente, verdade e é por estas e por outras que a credibilidade se mina relativamente a este primeiro-ministro", disse António Costa, no Teatro Municipal de Portimão.

António Costa recordou que o primeiro-ministro disse que "as pessoas com rendimentos mais baixos não foram objeto de cortes" e recordou a forma como "a classe média foi asfixiada por este Governo no corte de salários e pensões, no aumento dos impostos, das taxas moderadoras, das portagens".

"Mas, infelizmente, o Governo não se ficou pelo ataque à classe média e não hesitou, até nas pessoas com os rendimentos mais baixos, de levar até elas a sua fúria de austeridade", afirmou o dirigente socialista.

António Costa disse que "a realidade é que o Complemento Solidário para idosos (CSI) foi cortado, foi reduzido e, sobretudo, o acesso foi bastante restringido", deixando dezenas de milhar de pessoas sem esse complemento.

"Ao longo destes quatro anos houve mais de 70.000 idosos que recebiam o CSI e que o perderam e que vivem hoje com as dificuldades que este primeiro-ministro criou e que nem sequer tem consciência que as criou", lamentou, considerando que Pedro Passos Coelho "não aprendeu a lição".

António Costa quantificou as perdas para os beneficiários do CSI, afirmando que esse complemento foi "reduzido para o próprio beneficiário em 7%", se houver "outro adulto a cargo do agregado o corte foi de 33%" e, na parcela do Rendimento Social de Inserção (RSI) para as crianças, houve "um corte de 44% por decisão deste Governo e deste primeiro-ministro".

"Os beneficiários do RSI são pessoas ricas e titulares de grandes rendimentos, ou são aquelas que foram vítimas dos cortes deste Governo apesar dos baixos rendimentos que têm?", questionou António Costa.

O secretário-geral do PS frisou que "170 mil pessoas perderam a possibilidade de acederam ao RSI" com o governo de maioria PSD/CDS-PP dirigido por Pedro Passos Coelho.

António Costa criticou, ainda, o governante por ter dito que "Portugal viu aumentar menos a emigração, quando comparado com países como a Irlanda e a Espanha", e refutou esta afirmação, afirmando que a emigração aumentou "na Irlanda em 7%, em Espanha em 32% e em Portugal em 126%".

"Então onde aumentou mais, em Portugal, na Irlanda ou na Espanha? Mas que contas são essas senhor primeiro-ministro", disse ainda o secretário-geral socialista.






Lusa
  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15

    Mundo

    Emmerson Mnangagwa é o sucessor de Robert Mugabe que regressou esta quarta-feira da África do Sul, onde estava refugiado. No primeiro discurso, o Presidente do Zimbabué falou de uma nova democracia no país. Mnangagwa, conhecido como crocodilo, é suspeito de atrocidades na guerra civil pós-independência. 

  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50