sicnot

Perfil

País

Mais de um milhar de professores em protesto em Lisboa

Mais de um milhar de professores começaram hoje, perto das 16:00, a descer a Avenida da Liberdade, em Lisboa, num protesto contra o desgaste profissional, as condições de aposentação, a municipalização e outros temas contestados pelos sindicatos.

Lusa

Os professores começaram a juntar-se perto da rotunda do Marquês de Pombal, pelas 14:30, mas foram procurando as sombras nas laterais da Avenida da Liberdade, para se abrigarem do Sol e do calor intenso registado em Lisboa.

O protesto, convocado pela Plataforma da Educação, que agrega oito estruturas sindicais, entre as quais a Fenprof, arrancou ao som de palavras de ordem como "é preciso dizer basta ao horário que desgasta", "valorizar a educação, defender a profissão", "é preciso respeitar quem vive a ensinar" e "professores necessários não podem ser precários".

Os manifestantes empunham bandeiras dos sindicatos que os representam e faixas com palavras de ordem.














Lusa
  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.