sicnot

Perfil

País

Ministério Público investiga queda de carro ao Tejo

O Ministério Público (MP) está a investigar as circunstâncias da queda de um carro, hoje de madrugada, no rio Tejo, numa zona próxima da estação de comboios de Santa Apolónia, em Lisboa, da qual resultou duas mortes, indicou a Marinha.

As vítimas mortais eram um sargento reformado da Marinha portuguesa, de 60 anos, e uma assistente técnica administrativa, de 58 anos, que exercia funções na Capitania do Porto de Cascais.

De acordo com um comunicado conjunto da Marinha e da Autoridade Marítima Nacional, encontram-se ainda "em processo de investigação, sob a alçada do Ministério Público, os motivos que levaram a viatura onde seguiam a ter caído à água no rio Tejo".

Manifestando consternação com o sucedido, as duas entidades informaram estar disponíveis para colaborar "no apuramento das circunstâncias em que ocorreu este acidente".

O alerta foi dado hoje cerca das 03:20 por um grupo de jovens, que testemunhou no local que um carro de matrícula portuguesa tinha caído ao rio, disse anteriormente à agência Lusa o comandante do Porto de Lisboa, Cruz Gomes.

O acidente ocorreu na Rua da Cintura do Porto de Lisboa.

A Capitania do Porto de Lisboa deslocou para o local uma embarcação da Polícia Marítima e, com o apoio dos mergulhadores dos Sapadores Bombeiros, verificou a existência de uma viatura dentro de água com duas pessoas a bordo.



Lusa
  • Carro caiu ao rio em Lisboa, duas pessoas morreram
    1:08

    País

    Duas pessoas morreram esta madrugada, na sequência da queda de um carro no rio Tejo, em Lisboa. Um homem que terá entre 50 e 60 anos e uma mulher cuja idade é desconhecida foram encontrados sem vida no interior da viatura, como explica o comandante Comandante Cruz Gomes da Capitania do Porto de Lisboa. Não se sabe ainda o que terá motivado a queda do veículo.

  • "Não há nenhuma meta com Bruxelas", garante Centeno no Parlamento
    0:57

    Economia

    O ministro das Finanças afirma que o Programa de Estabilidade é debatido em Lisboa e não em Bruxelas.Esta manhã, no Parlamento, Mário Centeno assegurou ainda que as metas são as mesmas com que se comprometeu no programa do Governo e garante que não há nenhuma meta acordada com Bruxelas.