sicnot

Perfil

País

PJ detém homem que simulou o próprio rapto para extorquir familiares em Loulé

A Polícia Judiciária anunciou hoje em comunicado a detenção de um homem, em Almancil, Loulé, por ter simulado o próprio rapto para extorquir dinheiro a familiares através de um falso pedido de resgate.

Em declarações à Lusa, fonte da PJ adiantou que o homem, de 39 anos, enviou mensagens para os telemóveis de uma tia e de uma prima dizendo que tinha sido raptado por traficantes de droga e que estes só o libertariam ileso após a entrega de um resgate de 800 euros.

Segundo a mesma fonte, as familiares acreditaram na versão contada pelo homem, que é toxicodependente, e alertaram a PJ para o sucedido, revelando o local e a hora marcada para a entrega do resgate.

No momento em que o homem recolheu o dinheiro, os elementos da Judiciária aproximaram-se e detiveram-no, ao que o arguido respondeu com violência física, tendo depois justificado os crimes com a necessidade de comprar droga para consumir.

Lusa
  • O percurso dos rendimentos de Ronaldo
    3:43

    Football Leaks

    O Ministério das Finanças espanhol abriu uma investigação a Cristiano Ronaldo, por eventuais irregularides na declaração dos rendimentos da publicidade. A Gestifute, empresa do agente do avançado do Real Madrid, garante que Ronaldo tem os impostos em dia. A investigação aos documentos extraídos da plataforma informática Football Leaks, liderada pela revista alemã Der Spiegel, e da qual faz parte o jornal Expresso, conseguiu traçar o percurso dos rendimentos do melhor jogador do mundo.

  • Fábio Coentrão investigado por suspeita de delitos fiscais
    3:37

    Football Leaks

    O Ministério Público de Madrid acusou o defesa português Ricardo Carvalho de evasão fiscal e está a investigar Fábio Coentrão por eventuais delitos fiscais. Além dos dois portugueses a justiça acusou ainda o espanhol Xabi Alonso, o argentino Ángel Di María e investiga o colombiano Falcão. As investigações surgem depois da revelação do caso Football Leaks, investigada pelo Expresso e pelo consórcio europeu de jornalistas que tiveram acesso a milhões de documentos.