sicnot

Perfil

País

Ministério da Educação quer que aulas comecem entre 15 e 21 de setembro

O governo quer que o próximo ano lectivo comece mais tarde. Entre 15 e 21 de setembro, uma semana mais tarde do que o que tem sido hábito nos últimos anos. 

(AP/ Arquivo)

(AP/ Arquivo)

(Francisco Seco/ AP)

O governo quer que o próximo ano lectivo comece mais tarde. Entre 15 e 21 de setembro, uma semana mais tarde do que o que tem sido hábito nos últimos anos. 

A proposta do ministério da Educação já foi entregue ao Conselho de Escolas. 

À SIC, fonte do ministério diz que, o que se pretende, é um maior equilíbrio na duração dos 3 períodos lectivos. O PCP entrega amanhã um pedido protestativo para obrigar o ministro da Educação a ir ao Parlamento dar explicações.
  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efetivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21
  • Antigos quadros da Facebook declaram-se preocupados com efeitos da rede social

    Mundo

    Alguns dos antigos quadros da empresa Facebook estão a começar a exprimir sérias dúvidas sobre a rede social que ajudaram a criar, foi noticiado. A Facebook explora "uma vulnerabilidade na psicologia humana" para criar dependência entre os seus utilizadores, afirmou o primeiro presidente da empresa, Sean Parker, num fórum público.