sicnot

Perfil

País

PCP e BE querem ouvir Nuno Crato no parlamento sobre abertura do ano letivo

Os grupos parlamentares do PCP e do Bloco de Esquerda (BE) querem ouvir o ministro da Educação sobre o início do ano letivo, anunciaram hoje as duas estruturas partidárias.

Lusa

O PCP, segundo fonte do grupo parlamentar, vai apresentar um pedido potestativo (que não admite contestação) para ouvir Nuno Crato na comissão de Educação sobre a abertura e as condições do próximo ano letivo. 

Já o BE, num requerimento apresentado hoje, pede a presença urgente do ministro Nuno Crato, para prestar esclarecimentos sobre o que chama de atraso no início do próximo ano letivo.

No requerimento o BE diz que quer ouvir Nuno Crato porque as aulas só começarem a 21 de setembro e não a 15.

"Tendo em consideração o histórico de gestão da atual tutela nesta matéria considera o Bloco de Esquerda necessário que o Ministro preste esclarecimentos em sede parlamentar", diz o requerimento.

O Ministério da Educação propôs aos professores que as aulas do próximo ano letivo comecem entre 15 e 21 de setembro.





Lusa
  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.