sicnot

Perfil

País

Troca de cadáveres em Chaves fez com que um deles fosse enterrado duas vezes

Uma troca de cadáveres, de dois homens que morreram no sábado no Hospital de Chaves, fez com que um deles fosse enterrado duas vezes, adiantou hoje à Lusa uma familiar. 

Um homem de 55 anos, residente na aldeia de Rebordondo, Chaves, morreu no sábado às 16:00 no hospital, depois de dias internado, mas, segundo a sua familiar, a agência funerária transportou um outro corpo para o velório.

No domingo, às 18:30, a família realizou o funeral, mas estava, afinal, a enterrar esse outro corpo, de um homem de 85 anos, que havia falecido no mesmo dia.

O erro foi detetado na segunda-feira, quando a agência funerária ligou a uma das filhas do homem de 55 anos dizendo que o corpo do pai ainda estava na morgue, tendo havido uma troca.

"A família entrou em choque", frisou a familiar.

O corpo do homem de 55 anos acabou por ser enterrado na segunda-feira, ao final da tarde, tendo o outro corpo (que foi sepultado no lugar deste) sido reencaminhado para a família para a realização do velório - que, na prática, seria o segundo. 

Quanto ao facto de a família não se ter apercebido de que estava a enterrar a pessoa errada, a familiar salientou que o médico havia dito, na altura da morte, que ele iria ficar irreconhecível, daí não ter sido detetado o engano.  

O Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD) disse hoje à Lusa estar isento de qualquer responsabilidade, dado ter cumprido os procedimentos corretos. 

A agência funerária tinha dois corpos para transportar, tendo levado um deles para a aldeia errada, enquanto o outro ficou na morgue, explicou a unidade.

A agência Lusa tentou ainda contactar a agência funerária responsável pelo transporte dos corpos, mas sem sucesso. 

Lusa
  • Novas buscas no Universo Espírito Santo

    Queda do BES

    O Ministério Público voltou a fazer buscas no âmbito dos processos do Universo Espírito Santo. A SIC sabe que ontem e hoje os investigadores recolheram provas em diversos locais do continente e também na Madeira, nomeadamente em residências, empresas e entidades bancárias.

    Notícia SIC

  • Visitar a região afetada pelo fogos é uma forma de ajudar na recuperação
    3:07
  • Carvalhal do Sapo tenta recuperar a vida normal após incêndio
    2:33

    País

    As populações das aldeias de Góis tentam voltar à normalidade, ao fim de vários dias rodeadas por um grande dispositivo de operacionais. A repórter Cristina Freitas esteve hoje em Carvalhal do Sapo, onde se realizou mais um funeral de uma das vítimas do incêndio de Pedrógão Grande.

  • Falta de médicos e de ofertas de emprego preocupa habitantes da Guarda
    5:13
  • "Do ponto de vista interno a candidatura do Porto é a melhor" 
    0:50

    País

    António Costa admite que a candidatura da cidade do Porto para receber a Agência Europeia do Medicamento seria a melhor para Portugal. No entanto o primeiro-ministro diz que é preciso avaliar se a candidatura do Porto é a que tem mais hipóteses de ganhar, quando comparada com outras cidades europeias. 

  • Depois da "provocação", o acidente em cadeia
    0:43