sicnot

Perfil

País

Troca de cadáveres em Chaves fez com que um deles fosse enterrado duas vezes

Uma troca de cadáveres, de dois homens que morreram no sábado no Hospital de Chaves, fez com que um deles fosse enterrado duas vezes, adiantou hoje à Lusa uma familiar. 

Um homem de 55 anos, residente na aldeia de Rebordondo, Chaves, morreu no sábado às 16:00 no hospital, depois de dias internado, mas, segundo a sua familiar, a agência funerária transportou um outro corpo para o velório.

No domingo, às 18:30, a família realizou o funeral, mas estava, afinal, a enterrar esse outro corpo, de um homem de 85 anos, que havia falecido no mesmo dia.

O erro foi detetado na segunda-feira, quando a agência funerária ligou a uma das filhas do homem de 55 anos dizendo que o corpo do pai ainda estava na morgue, tendo havido uma troca.

"A família entrou em choque", frisou a familiar.

O corpo do homem de 55 anos acabou por ser enterrado na segunda-feira, ao final da tarde, tendo o outro corpo (que foi sepultado no lugar deste) sido reencaminhado para a família para a realização do velório - que, na prática, seria o segundo. 

Quanto ao facto de a família não se ter apercebido de que estava a enterrar a pessoa errada, a familiar salientou que o médico havia dito, na altura da morte, que ele iria ficar irreconhecível, daí não ter sido detetado o engano.  

O Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD) disse hoje à Lusa estar isento de qualquer responsabilidade, dado ter cumprido os procedimentos corretos. 

A agência funerária tinha dois corpos para transportar, tendo levado um deles para a aldeia errada, enquanto o outro ficou na morgue, explicou a unidade.

A agência Lusa tentou ainda contactar a agência funerária responsável pelo transporte dos corpos, mas sem sucesso. 

Lusa
  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Donald Trump já está no Vaticano 
    1:32