sicnot

Perfil

País

Determinadas as medidas de coação a duas farmacêuticas suspeitas de burla ao SNS

Já são conhecidas as medidas de coação das duas farmacêuticas detidas em Lisboa por suspeitas de alegados crimes de burla qualificada ao Serviço Nacional de Saúde. A mais nova de 39 anos fica obrigada a prestar 50 mil euros de caução enquanto a mais velha de 70 anos fica suspensa de funções.  

Segundo a investigação, mãe e filha terão lesado o Estado em mais de 100 mil euros através de um esquema de simulação de venda de medicamentos comparticipados. 

Utilizavam alegadamente as receitas do Serviço Nacional de Saúde, aproveitando os montantes dos medicamentos comparticipados e não transacionados para dispensar outros medicamentos aos clientes que também colaboravam no esquema. 

As autoridades não revelam o numero exacto, mas, além das duas farmacêuticas, foram constituídos arguidos alguns utentes. A investigação da Polícia Judiciária durava há mais de um ano. 
  • Governo lança linha de crédito de 100 M€ para empresas situadas no interior

    País

    As políticas de valorização do interior, tema escolhido pelo primeiro-ministro, António Costa, abriram o debate quinzenal na Assembleia da República. O primeiro-ministro anunciou que o Governo vai lançar uma linha de crédito de 100 milhões de euros destinada exclusivamente a pequenas e microempresas empresas situadas no interior, a par da reprogramação do Portugal 20/20.

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • Presidente da República apoia reforma "quanto antes" do Tribunal de Contas
    1:13

    País

    O Presidente da República defendeu esta manhã uma reforma do Tribunal de Contas para que se adeque a lei que prevê o controlo das entidades públicas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, se a lei der melhores meios de controlo e for de mais rápida aplicação, vai dissuadir casos de má gestão de dinheiros públicos que acabam por resultar em crimes.

  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.