sicnot

Perfil

País

Ministro exclui hipótese de aumento de impostos para financiar saúde

O ministro da Saúde excluiu hoje a hipótese de um aumento de impostos para financiar a saúde, avisando contudo que nos próximos anos haverá um crescimento de custos nalgumas áreas e que é preciso discutir as formas de financiamento.

João Relvas/Lusa

"Não está previsto no programa da maioria, e pelo que percebemos também não está no da oposição, haver um aumento da carga fiscal para financiar a saúde. Não está nem naquilo que está publicado nem nas intenções e, portanto, nesse sentido excluímos (a possibilidade de aumento de impostos", afirmou hoje Paulo Macedo aos jornalistas no final de uma conferência em Lisboa.

Na terça-feira o ministro da Saúde tinha já avisado que os custos do Serviço Nacional de Saúde vão aumentar, considerando que deve ser discutida a sua forma de financiamento, afirmações que foram interpretadas como uma admissão da hipótese de aumento de impostos.

Instado hoje pelos jornalistas a clarificar esta questão, Paulo Macedo excluiu a hipótese de aumento da carga fiscal.

"O que é totalmente certo, e nem é uma novidade, é que todos os estudos indicam que várias áreas da saúde vão aumentar de custos. É preciso discutir como vão discutir como vai ser feito esse financiamento de custos em certas áreas da saúde", declarou.

O ministro lembrou que nos últimos quatro anos tem sido aplicada uma política de contenção: "não houve qualquer aumento de impostos motivado pela saúde no sentido em que a despesa da saúde foi contida".

Paulo Macedo indicou ainda aos jornalistas que o atual governo optou por "manter o financiamento da saúde através dos impostos de forma solidária e progressiva", não procurando outros caminhos, como o copagamento na área da saúde.

O caminho passa, segundo o ministro, por continuar a limitar e conter a despesa nalgumas áreas, "continuando com políticas de rigor, de combate ao desperdício e à fraude".

"Há múltiplas ações para continuar a fazer do lado da despesa", disse, indicando que é preciso debater o que se fará do lado da receita.

O antigo secretário de Estado da Saúde e ex-deputado socialista Manuel Pizarro, que também participou na conferência promovida pela indústria farmacêutica, rejeitou a possibilidade de um aumento da carga fiscal para financiar a Saúde, mas também reconheceu que é necessário um "debate nacional e transparente" sobre financiamento.

Lusa
  • UGT reivindica que salário mínimo ultrapasse os 600€
    0:26

    Economia

    O secretário-geral da UGT reivindica que até 2019 o salário mínimo nacional ultrapasse os 600 euros. Este sábado, num congresso distrital na Guarda, Carlos Silva considerou que o Governo tem condições para ir mais além e voltou a defender que para o próximo ano o patamar mínimo para a negociação deve ser os 585 euros.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Franceses em protesto contra reformas de Macron
    1:04
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.

  • Tony Carreira em Paris com sala cheia
    2:36

    Cultura

    O cantor Tony Carreira actuou ontem em Paris e teve sala cheia a aplaudir os temas que o tornaram conhecido há quase 30 anos. As recentes acusações de plágio não parecem afectar a popularidade do artista, que vai continuar em tournée. A Sic acompanhou o artista neste concerto.