sicnot

Perfil

País

Ministro exclui hipótese de aumento de impostos para financiar saúde

O ministro da Saúde excluiu hoje a hipótese de um aumento de impostos para financiar a saúde, avisando contudo que nos próximos anos haverá um crescimento de custos nalgumas áreas e que é preciso discutir as formas de financiamento.

João Relvas/Lusa

"Não está previsto no programa da maioria, e pelo que percebemos também não está no da oposição, haver um aumento da carga fiscal para financiar a saúde. Não está nem naquilo que está publicado nem nas intenções e, portanto, nesse sentido excluímos (a possibilidade de aumento de impostos", afirmou hoje Paulo Macedo aos jornalistas no final de uma conferência em Lisboa.

Na terça-feira o ministro da Saúde tinha já avisado que os custos do Serviço Nacional de Saúde vão aumentar, considerando que deve ser discutida a sua forma de financiamento, afirmações que foram interpretadas como uma admissão da hipótese de aumento de impostos.

Instado hoje pelos jornalistas a clarificar esta questão, Paulo Macedo excluiu a hipótese de aumento da carga fiscal.

"O que é totalmente certo, e nem é uma novidade, é que todos os estudos indicam que várias áreas da saúde vão aumentar de custos. É preciso discutir como vão discutir como vai ser feito esse financiamento de custos em certas áreas da saúde", declarou.

O ministro lembrou que nos últimos quatro anos tem sido aplicada uma política de contenção: "não houve qualquer aumento de impostos motivado pela saúde no sentido em que a despesa da saúde foi contida".

Paulo Macedo indicou ainda aos jornalistas que o atual governo optou por "manter o financiamento da saúde através dos impostos de forma solidária e progressiva", não procurando outros caminhos, como o copagamento na área da saúde.

O caminho passa, segundo o ministro, por continuar a limitar e conter a despesa nalgumas áreas, "continuando com políticas de rigor, de combate ao desperdício e à fraude".

"Há múltiplas ações para continuar a fazer do lado da despesa", disse, indicando que é preciso debater o que se fará do lado da receita.

O antigo secretário de Estado da Saúde e ex-deputado socialista Manuel Pizarro, que também participou na conferência promovida pela indústria farmacêutica, rejeitou a possibilidade de um aumento da carga fiscal para financiar a Saúde, mas também reconheceu que é necessário um "debate nacional e transparente" sobre financiamento.

Lusa
  • Proteção Civil desmobiliza meios em Setúbal

    País

    A Proteção Civil vai começar a desmobilizar, hoje à tarde, meios de combate ao incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal e que já está em fase de rescaldo, disse à agência Lusa o vereador da Proteção Civil Municipal.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • Portugal condenado por decisão "discriminatória e preconceituosa"
    1:19

    País

    Portugal voltou a ser condenado pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, desta vez por causa de uma decisão discriminatória e preconceituosa. Trata-se do caso da mulher a quem o Supremo Tribunal Administrativo baixou o valor de uma indemnização por negligência médica. Entre os vários argumentos usados, os juízes portugueses consideraram que a sexualidade é menos importante quando se tem 50 anos e dois filhos.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26

    País

    O candidato do PSD à Câmara Municipal de Loures, André Ventura, foi entrevistado esta terça-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. Em análise, a polémica em torno das declarações do candidato sobre a comunidade cigana.

    Entrevista SIC Notícias

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.