sicnot

Perfil

País

Ministro exclui hipótese de aumento de impostos para financiar saúde

O ministro da Saúde excluiu hoje a hipótese de um aumento de impostos para financiar a saúde, avisando contudo que nos próximos anos haverá um crescimento de custos nalgumas áreas e que é preciso discutir as formas de financiamento.

João Relvas/Lusa

"Não está previsto no programa da maioria, e pelo que percebemos também não está no da oposição, haver um aumento da carga fiscal para financiar a saúde. Não está nem naquilo que está publicado nem nas intenções e, portanto, nesse sentido excluímos (a possibilidade de aumento de impostos", afirmou hoje Paulo Macedo aos jornalistas no final de uma conferência em Lisboa.

Na terça-feira o ministro da Saúde tinha já avisado que os custos do Serviço Nacional de Saúde vão aumentar, considerando que deve ser discutida a sua forma de financiamento, afirmações que foram interpretadas como uma admissão da hipótese de aumento de impostos.

Instado hoje pelos jornalistas a clarificar esta questão, Paulo Macedo excluiu a hipótese de aumento da carga fiscal.

"O que é totalmente certo, e nem é uma novidade, é que todos os estudos indicam que várias áreas da saúde vão aumentar de custos. É preciso discutir como vão discutir como vai ser feito esse financiamento de custos em certas áreas da saúde", declarou.

O ministro lembrou que nos últimos quatro anos tem sido aplicada uma política de contenção: "não houve qualquer aumento de impostos motivado pela saúde no sentido em que a despesa da saúde foi contida".

Paulo Macedo indicou ainda aos jornalistas que o atual governo optou por "manter o financiamento da saúde através dos impostos de forma solidária e progressiva", não procurando outros caminhos, como o copagamento na área da saúde.

O caminho passa, segundo o ministro, por continuar a limitar e conter a despesa nalgumas áreas, "continuando com políticas de rigor, de combate ao desperdício e à fraude".

"Há múltiplas ações para continuar a fazer do lado da despesa", disse, indicando que é preciso debater o que se fará do lado da receita.

O antigo secretário de Estado da Saúde e ex-deputado socialista Manuel Pizarro, que também participou na conferência promovida pela indústria farmacêutica, rejeitou a possibilidade de um aumento da carga fiscal para financiar a Saúde, mas também reconheceu que é necessário um "debate nacional e transparente" sobre financiamento.

Lusa
  • A fuga dos PIDES
    1:16

    Perdidos e Achados

    Ao final do dia 29 de Junho de 1975, 89 agentes da PIDE fugiam da cadeia de Vale de Judeus, em Alcoentre. Mais de 40 anos depois, Perdidos e Achados recupera um dos acontecimentos do Verão Quente em Portugal. Hoje no Jornal da Noite e conteúdos exclusivos no site.

    Hoje no Jornal da Noite

  • Uma volta a Portugal. De bicicleta mas sem licra

    País

    Um grupo de professores propõe-se a repetir o percurso da 1.ª Volta a Portugal em Bicicleta, 90 anos depois. Não se trata de uma corrida, pelo contrário querem provar que qualquer um o pode fazer e promover o uso da bicicleta como meio de transporte pessoal. “Dar a volta” parte para a estrada esta quarta-feira, de Lisboa a Setúbal, tal como em 26 de abril de 1927.

    Ricardo Rosa

  • Casa Madonna di Fatima em Roma é um lar de idosos com 9 irmãs portuguesas
    4:29

    Mundo

    A mais antiga igreja dedicada à Senhora de Fátima em Roma tem mais de 50 anos. Foi construída pelas franciscanas hospitaleiras do Imaculado Coração, uma congregação fundada em Portugal. Hoje, as religiosas portuguesas gerem um lar na mesma rua, mas o templo foi entregue a uma congregação italiana.