sicnot

Perfil

País

Ministro garante que novo ano letivo começará sem sobressaltos

O ministro da Educação negou hoje que haja um adiamento no arranque do ano letivo, garantindo que as aulas "vão começar sem sobressaltos" e que as datas foram escolhidas tendo em conta "um maior equilíbrio" entre os três períodos.

LUSA

"O ano letivo vai começar a 15 de setembro e está rearranjado este ano, tal como é sempre feito, em função dos feriados e das férias. Procurámos um maior equilíbrio entre a duração dos três períodos", disse Nuno Crato em declarações aos jornalistas à margem de um encontro que se realizou hoje na Fundação Gulbenkian, garantindo que as aulas vão "arrancar sem sobressaltos".

Segundo o calendário escolar do apresentado esta semana aos sindicatos, as aulas começam entre 15 e 21 de setembro e terminam, o mais tardar, a 9 de julho.

Para o ministro da Educação e Ciência, "não há um atraso (no arranque) do ano letivo", tal como foi defendido por professores e partidos políticos.

Nuno Crato lembrou que o calendário é desenhado depois de ouvidos sindicatos e diretores das escolas e que mesmo entre todos os envolvidos existem opiniões muito diferentes e, por isso, "o calendário escolar é sempre um equilíbrio" entre várias vontades.

"Há pais que expressam o gosto por um ano letivo que devia ser mais estendido, há pais que acham que o ano letivo é demasiado longo. Há professores que acham o mesmo, há quem gostaria de ter um intervalo maior a seguir ao ano novo... enfim, nós vamos ajustando as coisas em função daquilo que nos parece melhor depois de ouvir os diretores e os sindicatos", afirmou.

O ministro escusou-se a comentar as críticas dos partidos (que falam em atraso no arranque do ano letivo e anteveem novamente um começo de ano conturbado) por considerar que se trata de "especulação pura".

Os grupos parlamentares do PCP e do Bloco de Esquerda anunciaram na terça-feira que querem ouvir o ministro no parlamento sobre a abertura e as condições do próximo ano letivo. 

Também a Federação Nacional dos Professores (Fenprof) veio acusar o Governo de "tentar ganhar tempo" para "disfarçar trapalhadas" com a colocação dos professores e de adiar o início do ano letivo.

Sobre as críticas de pais e diretores por não ter acolhido a sugestão de marcar para depois do fim das aulas os exames nacionais do 4.º e 6.º ano, Nuno Crato sublinhou que as datas definidas no calendário escolar permitem oferecer a alguns alunos um período de acompanhamento extraordinário.

Segundo o calendário escolar, este período de acompanhamento aos estudantes com mais dificuldades deverá ser entre os dias 22 de junho e 12 de julho. 

Assim, os alunos do 4.º e 6.º ano que tenham maus resultados na primeira fase dos exames de Português e Matemática (que se vão realizar a 24 e 26 de maio, respetivamente), poderão voltar a fazer as provas na 2.º fase, que foi agendada já para depois do final do ano letivo, a 13 e 15 de julho.

Nuno Crato disse que este acompanhamento extraordinário "tem permitido recuperar muitos alunos" e mostrou-se disponível para apoiar os diretores das escolas onde a realização das provas possam perturbar o normal funcionamento das aulas dos restantes alunos.



Lusa
  • Bomba encontrada na Nazaré pode ter sido largada durante 2.ª Guerra Mundial
    2:26

    País

    A bomba que esta segunda-feira veio nas redes de um arrastão na Nazaré já foi detonada. O engenho explosivo foi identificado como uma bomba de avião por especialistas da Marinha, que eliminaram também o perigo equivalente a 600 quilogramas de TNT. A bomba sem qualquer inscrição tinha um desgaste evidente e, segundo a Marinha, pode ter sido largada de um avião durante a 2.ª Guerra Mundial.

  • Derrocada de muro em Lisboa obriga à retirada de 40 pessoas de 5 prédios
    2:14

    País

    Os moradores de três prédios de Lisboa não podem regressar tão cedo a casa. Durante a madrugada, a derrocada de um muro obrigou à retirada de 40 pessoas de cinco edifícios. Um dos inquilinos sofreu ferimentos ligeiros. Entretanto, a maioria dos residentes já foi realojada em casas de familiares e num hotel.

  • "Geringonça" elogiada na Europa e EUA
    4:22

    País

    Num momento em que por cá se fala de claustrofobia democrática, a Europa e os Estados Unidos desdobram-se em elogios ao sucesso da maioria de Esquerda em Portugal. A palavra "geringonça" já tem até tradução em várias línguas.

  • ONU estima que mais 750 mil civis estejam em risco na cidade de Mossul
    1:39

    Mundo

    As Nações Unidas estimam que mais 750 mil civis estejam em risco na zona ocidental de Mossul, no Iraque. Mais de 10 mil pessoas fugiram da zona ocidental da cidade nos últimos quatro dias. Enquanto a população tenta escapar ao fogo cruzado, as forças iraquianas avançam sobre a cidade ainda controlada pelo Daesh.