sicnot

Perfil

País

Parcerias com universidades dos EUA atraem estudantes

As parcerias com universidades norte-americanas beneficiaram as instituições portuguesas, trouxeram inovação à investigação e aos currículos, incentivaram o trabalho em rede e atrairam estudantes estrangeiros, mas a relação com a indústria pode melhorar, conclui um estudo do ISCTE.

© Marcelo del Pozo / Reuters

O trabalho, que será apresentado na segunda-feira, analisou a forma como as parcerias com as universidade norte-americanas Carnegie Mellon (CM), Austin-Texas e Massachusetts Institute of Tecnology (MIT) influenciaram as redes e as relações entre instituições portuguesas, destas com aquelas dos EUA, entre investigadores, entre alunos, de doutoramento e mestrado, e entre todos estes e as empresas.

"Foi uma aposta muito interessante, que vai buscar universidades de topo norte-americanas, com uma experiência muito rica em colaborar com empresas, em colocar os seus alunos e criar relações com empresas", disse hoje à agência Lusa a coordenadora do estudo, Teresa Patrício, do ISTCE - Instituto Universitário de Lisboa.

A investigadora explicou que foi analisada a atratividade das parcerias em termos de programas de mestrado e doutoramento, e a conclusão é que "atraíram imensos alunos, nacionais mas também estrangeiros, que são entre 30 a 40%" do total dos estudantes nestes programas de ensino, contribuindo para que, atualmente, Portugal tenha 10 a 12% de alunos estrangeitos nos doutoramentos.

As parcerias "beneficiaram muito as universidades portuguesas: lançaram uma série de novos projetos de investigação, inovaram os seus currículos, passaram a trabalhar em rede e receberam 900 estudantes de todo o mundo", do Brasil ao Irão, Angola ou Índia, resume uma informação do ISCTE.

Segundo a análise, "a transferência de conhecimento para a indústria tem margem para melhorar", constatação que vai no mesmo sentido de declarações da secretária de Estado da Ciência, Leonor Parreira, a alertar para a necessidade de as empresas aproveitarem mais o conhecimento dos investigadores, contratando, por exemplo, doutorados e de as inovações serem trabalhadas nos centros de investigação.

"Quase todas as universidades portuguesas estão, de alguma maneira, envolvidas" nestas parcerias, quer no programa de investigação, quer no ensino, de mestrado e doutoramento ou de transferência tecnológica para as empresas, salientou Teresa Patrício, que realçou também a "densa rede de colaborações" conseguida.

Na análise ao programa, em vigor desde 2006, concluiu-se também que "grande parte dos investigadores ia trabalhar com empresas com as quais já tinham alguma relação prévia e em áreas específicas", das engenharias às áreas tecnológicas, transportes, energia ou comunicação e informação. 

Por outro lado, "de uma maneira geral, são eles [os investigadores] que procuram as empresas e as trazem para estas colaborações", realçou a coordenadora do estudo.

Outra alteração apontada é que se verificou "uma inflexão" de publicações dos parceiros europeus, passando para estes norte-americanos.

"De alguma forma [a maneira de trabalhar dos investigadores portugueses] mudou, no sentido em que há mais parceiros e um conhecimento maior de que a ciência faz em rede e as parcerias vieram encorajar" esta situação.

Apesar de "já se trabalhar em rede com a União Europeia, aqui a rede foi mais alargada, também a empresas", referiu Teresa Patrício.


Lusa

  • Funcionários públicos hoje em greve
    1:37

    Economia

    Os funcionários públicos estão hoje em greve. A paralisação pode fechar algumas escolas, centros de saúde e outros serviços públicos. O fim da precariedade e o reforço de pessoal são duas das reivindicações do protesto.

  • Oliveira Costa "era incompetente para todos os lugares em que eu o vi"
    3:12

    Quadratura do Círculo

    O caso BPN esteve em destaque no programa Quadratura do Circulo desta quinta-feira. Pacheco Pereira relembrou que os maiores prejuízos são posteriores à nacionalização e responsabiliza José Sócrates. O Jorge Coelho disse que se fez justiça e que é uma prova que o Estado de direito português está a funcionar. Lobo Xavier garantiu também que Oliveira Costa era incompetente por natureza.

  • Nove distritos sob aviso amarelo devido à chuva

    País

    Nove distritos de Portugal continental estão hoje sob aviso amarelo devido à previsão de aguaceiros por vezes fortes e de granizo, acompanhados de trovoada e rajadas fortes, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). Bragança, Viseu, Porto, Vila Real, Guarda, Viana do Castelo, Castelo Branco, Coimbra e Braga são os distritos sob aviso o amarelo, o terceiro mais grave de uma escala de quatro.

  • O papel da religião no quotidiano
    24:57
  • Jane Goodall iniciou palestra com sons semelhantes aos dos chimpanzés
    2:18

    País

    A investigadora Jane Goodall esteve esta quinta-feira em Lisboa para participar numa conferência da National Geographic. A primatóloga começou o seu discurso com sons semelhantes aos dos chimpanzés. Numa entrevista à SIC, Goodall falou sobre os chimpanzés e sobre o trabalho que continua a desenvolver em todo o mundo, em prol do ambiente, dos animais e das pessoas. 

  • NATO vai aumentar luta contra o terrorismo

    Mundo

    O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que os aliados da NATO concordaram esta quinta-feira em aumentar a luta contra o terrorismo e em "investir mais e melhor" na Aliança.

  • Trump empurra líder do Montenegro para ficar à frente na fotografia

    Mundo

    A reunião de líderes dos Estados-membros da NATO, que decorreu esta quinta-feira em Bruxelas, na Bélgica, ficou marcada por um momento insólito em que o Presidente norte-americano não quis abdicar de ficar no melhor plano possível nas fotografias de grupo. Nem que para isso tenha sido necessário empurar o líder de outro país.

  • O humor de John Kerry nas críticas a Trump
    0:40

    Mundo

    John Kerry criticou as ligações de Donald Trump com a Rússia durante um discurso de abertura, na Universidade de Harvard. O ex-secretário de Estado norte-americano disse, em tom de brincadeira, que se os jovens querem vingar na política, devem primeiro aprender a falar russo.