sicnot

Perfil

País

Parcerias com universidades dos EUA atraem estudantes

As parcerias com universidades norte-americanas beneficiaram as instituições portuguesas, trouxeram inovação à investigação e aos currículos, incentivaram o trabalho em rede e atrairam estudantes estrangeiros, mas a relação com a indústria pode melhorar, conclui um estudo do ISCTE.

© Marcelo del Pozo / Reuters

O trabalho, que será apresentado na segunda-feira, analisou a forma como as parcerias com as universidade norte-americanas Carnegie Mellon (CM), Austin-Texas e Massachusetts Institute of Tecnology (MIT) influenciaram as redes e as relações entre instituições portuguesas, destas com aquelas dos EUA, entre investigadores, entre alunos, de doutoramento e mestrado, e entre todos estes e as empresas.

"Foi uma aposta muito interessante, que vai buscar universidades de topo norte-americanas, com uma experiência muito rica em colaborar com empresas, em colocar os seus alunos e criar relações com empresas", disse hoje à agência Lusa a coordenadora do estudo, Teresa Patrício, do ISTCE - Instituto Universitário de Lisboa.

A investigadora explicou que foi analisada a atratividade das parcerias em termos de programas de mestrado e doutoramento, e a conclusão é que "atraíram imensos alunos, nacionais mas também estrangeiros, que são entre 30 a 40%" do total dos estudantes nestes programas de ensino, contribuindo para que, atualmente, Portugal tenha 10 a 12% de alunos estrangeitos nos doutoramentos.

As parcerias "beneficiaram muito as universidades portuguesas: lançaram uma série de novos projetos de investigação, inovaram os seus currículos, passaram a trabalhar em rede e receberam 900 estudantes de todo o mundo", do Brasil ao Irão, Angola ou Índia, resume uma informação do ISCTE.

Segundo a análise, "a transferência de conhecimento para a indústria tem margem para melhorar", constatação que vai no mesmo sentido de declarações da secretária de Estado da Ciência, Leonor Parreira, a alertar para a necessidade de as empresas aproveitarem mais o conhecimento dos investigadores, contratando, por exemplo, doutorados e de as inovações serem trabalhadas nos centros de investigação.

"Quase todas as universidades portuguesas estão, de alguma maneira, envolvidas" nestas parcerias, quer no programa de investigação, quer no ensino, de mestrado e doutoramento ou de transferência tecnológica para as empresas, salientou Teresa Patrício, que realçou também a "densa rede de colaborações" conseguida.

Na análise ao programa, em vigor desde 2006, concluiu-se também que "grande parte dos investigadores ia trabalhar com empresas com as quais já tinham alguma relação prévia e em áreas específicas", das engenharias às áreas tecnológicas, transportes, energia ou comunicação e informação. 

Por outro lado, "de uma maneira geral, são eles [os investigadores] que procuram as empresas e as trazem para estas colaborações", realçou a coordenadora do estudo.

Outra alteração apontada é que se verificou "uma inflexão" de publicações dos parceiros europeus, passando para estes norte-americanos.

"De alguma forma [a maneira de trabalhar dos investigadores portugueses] mudou, no sentido em que há mais parceiros e um conhecimento maior de que a ciência faz em rede e as parcerias vieram encorajar" esta situação.

Apesar de "já se trabalhar em rede com a União Europeia, aqui a rede foi mais alargada, também a empresas", referiu Teresa Patrício.


Lusa

  • Sismo abala centro de Itália

    Mundo

    A capital da Itália foi esta manhã sacudida por três sismos em apenas uma hora, de entre 5,3 e 5,7 na escala de Richter, não havendo até ao momento registo de vítimas.

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.

  • Bebé nasce na Ucrânia com ADN de três pais

    Mundo

    Nasceu a 5 de janeiro, na Ucrânia, uma menina filha de um casal infértil graças à ajuda de uma nova técnica de fertilização in vitro, que conta com a colaboração de uma terceira pessoa. De acordo com o britânico The Times, os médicos utilizaram pela primeira vez um método denominado transferência pronuclear. Esta não é, contudo, a primeira vez que nasce um bebé com ADN de três progenitores.

  • CIA desvenda segredos de quase 50 anos de História

    Mundo

    A CIA publicou online quase 12 milhões de documentos confidenciais. Basta uma ligação à Internet para navegar por entre 50 anos de relatórios outrora secretos. Entre os milhões de páginas, estão documentos sobre um eventual assassínio de Fidel Castro, detalhes sobre os crimes de guerra nazis, relatórios sobre avistamentos de OVNI e um estudo sobre telepatia denominado "Projeto Star Gate".