sicnot

Perfil

País

Parcerias com universidades dos EUA atraem estudantes

As parcerias com universidades norte-americanas beneficiaram as instituições portuguesas, trouxeram inovação à investigação e aos currículos, incentivaram o trabalho em rede e atrairam estudantes estrangeiros, mas a relação com a indústria pode melhorar, conclui um estudo do ISCTE.

© Marcelo del Pozo / Reuters

O trabalho, que será apresentado na segunda-feira, analisou a forma como as parcerias com as universidade norte-americanas Carnegie Mellon (CM), Austin-Texas e Massachusetts Institute of Tecnology (MIT) influenciaram as redes e as relações entre instituições portuguesas, destas com aquelas dos EUA, entre investigadores, entre alunos, de doutoramento e mestrado, e entre todos estes e as empresas.

"Foi uma aposta muito interessante, que vai buscar universidades de topo norte-americanas, com uma experiência muito rica em colaborar com empresas, em colocar os seus alunos e criar relações com empresas", disse hoje à agência Lusa a coordenadora do estudo, Teresa Patrício, do ISTCE - Instituto Universitário de Lisboa.

A investigadora explicou que foi analisada a atratividade das parcerias em termos de programas de mestrado e doutoramento, e a conclusão é que "atraíram imensos alunos, nacionais mas também estrangeiros, que são entre 30 a 40%" do total dos estudantes nestes programas de ensino, contribuindo para que, atualmente, Portugal tenha 10 a 12% de alunos estrangeitos nos doutoramentos.

As parcerias "beneficiaram muito as universidades portuguesas: lançaram uma série de novos projetos de investigação, inovaram os seus currículos, passaram a trabalhar em rede e receberam 900 estudantes de todo o mundo", do Brasil ao Irão, Angola ou Índia, resume uma informação do ISCTE.

Segundo a análise, "a transferência de conhecimento para a indústria tem margem para melhorar", constatação que vai no mesmo sentido de declarações da secretária de Estado da Ciência, Leonor Parreira, a alertar para a necessidade de as empresas aproveitarem mais o conhecimento dos investigadores, contratando, por exemplo, doutorados e de as inovações serem trabalhadas nos centros de investigação.

"Quase todas as universidades portuguesas estão, de alguma maneira, envolvidas" nestas parcerias, quer no programa de investigação, quer no ensino, de mestrado e doutoramento ou de transferência tecnológica para as empresas, salientou Teresa Patrício, que realçou também a "densa rede de colaborações" conseguida.

Na análise ao programa, em vigor desde 2006, concluiu-se também que "grande parte dos investigadores ia trabalhar com empresas com as quais já tinham alguma relação prévia e em áreas específicas", das engenharias às áreas tecnológicas, transportes, energia ou comunicação e informação. 

Por outro lado, "de uma maneira geral, são eles [os investigadores] que procuram as empresas e as trazem para estas colaborações", realçou a coordenadora do estudo.

Outra alteração apontada é que se verificou "uma inflexão" de publicações dos parceiros europeus, passando para estes norte-americanos.

"De alguma forma [a maneira de trabalhar dos investigadores portugueses] mudou, no sentido em que há mais parceiros e um conhecimento maior de que a ciência faz em rede e as parcerias vieram encorajar" esta situação.

Apesar de "já se trabalhar em rede com a União Europeia, aqui a rede foi mais alargada, também a empresas", referiu Teresa Patrício.


Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.