sicnot

Perfil

País

Ministra da Justiça nega ter usado dirigentes públicos com fins eleitorais

A ministra da Justiça negou hoje, no parlamento, que tenha utilizado dirigentes públicos para verificar se o programa do PS continha medidas aplicadas por este governo.

LUSA/ ARQUIVO

Numa resposta direta a uma interpelação do deputado socialista Jorge Lacäo relacionada com informação hoje divulgada pelo Diário de Notícias (DN), Paula Teixeira da Cruz disse que o que ocorreu foi "uma monitorização, uma verificação, como é habitual", das medidas adotadas pelo Governo.

"O que aconteceu no âmbito desta monitorização, que é normal, foi, tendo-se verificado que havia um conjunto de medidas muito semelhantes às implementadas pelo Governo, foi pedido que se verificasse se essas medidas estavam contidas nas nossas propostas", disse a ministra, que está no parlamento para debater o Estatuto da Vítima.

Lacão frisou que o pedido tinha sido feito por correio eletrónico por uma adjunta da ministra a pedido da chefe de gabinete desta e que visava verificar "ponto por ponto" se as propostas eleitorais do PS para a área da justiça coincidiam com medidas adotadas pelo Governo. 

Em causa está a manchete de hoje do DN, que noticia que a ministra utilizou dirigentes públicos para saber se o programa do PS para a área da justiça coincidia com as medidas adotadas pelo executivo.

Segundo o DN, os diretores-gerais receberam um correio eletrónico (e-mail) a pedir, com urgência, que identificassem, de um conjunto de medidas, as que já tivessem sido realizadas pelo atual governo ou estivessem em vias de o ser.

"O gabinete ocultou, porém, que o conjunto de ideias tinha sido retirado do programa eleitoral do PS, disponível no site oficial do partido", escreve o DN.


Lusa
  • Ministra diz que ninguém entenderia que magistrados tivessem aumentos de 40%
    0:55

    País

    A ministra da Justiça afirma que não tem nenhuma guerra com os sindicatos e que, se alguma coisa mudou, foi a atuação das atuais direções. À saída do plenário da Assembleia da República, Paula Teixeira da Cruz comentou assim o corte de relações institucionais, anunciado pela Associação Sindical dos Juízes Portugueses e pelo Sindicato dos Magistrados do Ministério Público. Para a ministra, ninguém entenderia que os magistrados tivessem aumentos na ordem dos 40%.

  • Juízes cortam relações com ministra da Justiça
    1:13

    País

    A Associação Sindical dos Juízes acaba de cortar relações com a ministra da Justiça. Em causa está a revisão do estatuto dos magistrados.A ministra diz que exigiam ordenados exorbitantes. Os juízes respondem que Paula Teixeira da Cruz está a faltar à verdade.

  • Pagar IMI a prestações e um Documento Único Automóvel mais pequeno

    País

    O programa Simplex + 2017 é apresentado hoje à tarde e recebeu mais de 250 propostas de cidadãos ao longo dos últimos meses. As novas medidas preveem o pagamento em prestações do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) e a criação de um simulador de custos da Justiça, que devem estar em vigor no próximo ano.

  • Depois do Fogo
    23:30
  • "A culpa morre sozinha?"
    0:41

    Opinião

    Luís Marques Mendes não acredita que o Ministério Público não formule uma acusação de homicídio por negligência e que não haja demissões na sequência do incêndio de Pedrógão Grande. O comentador da SIC debateu o tema este domingo no Jornal da Noite da SIC.

    Luís Marques Mendes

  • Cinco anos depois do incêndio na Serra do Caldeirão
    5:24
  • O último adeus a Miguel Beleza

    País

    O velório do economista e ex-ministro das Finanças realiza-se esta segunda-feira na Igreja do Campo Grande, em Lisboa, a partir das 18h00.

  • Trump quebra tradição da Casa Branca com 20 anos

    Mundo

    Donald Trump decidiu não fazer um jantar de celebração pelo fim do Ramadão, o mês em que os muçulmanos cumprem jejum entre o nascer e o pôr do sol. O Presidente dos Estados Unidos quebrou a tradição da Casa Branca, pela primeira vez em 20 anos.