sicnot

Perfil

País

Morcegos combatem pragas de insetos em vinhas alentejanas

Os morcegos costumam ser associados a mitos ou lendas, como dos vampiros, mas são "amigos" do agricultor na Herdade do Esporão, no Alentejo, para ajudar a combater pragas de insetos nas vinhas, num projeto inovador em Portugal.

Duas "caixas", habitadas por morcegos, colocadas junto das vinhas da Herdade do Esporão

Duas "caixas", habitadas por morcegos, colocadas junto das vinhas da Herdade do Esporão

NUNO VEIGA

Imagem de vídeo dos morcegos no interior de uma das "caixas"

Imagem de vídeo dos morcegos no interior de uma das "caixas"

NUNO VEIGA

Os morcegos ajudam a combater a praga de insetos

Os morcegos ajudam a combater a praga de insetos

NUNO VEIGA

Pela vasta área de vinha deste produtor de vinhos, localizado no concelho de Reguengos de Monsaraz, é possível ver, aqui e ali, pequenas caixas de madeira pregadas no alto de postes.

São, nada mais, nada menos, do que as "casas" dos morcegos que "habitam" na herdade. Cerca de 100 exemplares, distribuídos por um total de 20 caixas.

A iniciativa, que arrancou em 2011, vai ser alargada este ano, com a instalação de 20 novas caixas, estando previstas novas ampliações, nos próximos anos, disse à agência Lusa o gestor agrícola da Herdade do Esporão, Rui Flores. 

O projeto, no âmbito da conservação da biodiversidade da herdade, não demorou muito a atrair morcegos-de-kuhl e arborícolas, duas das 27 espécies em Portugal, contou à Lusa Mário Carmo, biólogo do Esporão.

"São muitos pequeninos" e, por noite, "comem metade do seu peso em insetos", disse, insistindo que, em Portugal, "os morcegos não são tão grandes" como os que aparecem nos documentários.

A ideia, lembrou o biólogo, "germinou" após uma amostragem dos morcegos da zona, que constatou que "viviam fora e vinham comer à herdade, porque existe bastante alimento".

E por alimento entenda-se insetos, o que comem, não só estes "moradores" da herdade, mas todos os morcegos nacionais (só três espécies no mundo se alimentam de sangue, geralmente de gado).

As caixas serviram "para criar um lar" para os morcegos, relatou Mário Carmo. Havia "uma forte probabilidade" de não serem ocupadas, mas, no primeiro ano, uma teve logo "residentes" e, agora, todos os abrigos estão preenchidos.

"Acho que funcionou muito bem e que eles estão a gostar do sítio", congratulou-se o biólogo, realçando que, em agricultura, há "alguns exemplos" deste tipo de projetos na Europa, mas em Portugal "é quase pioneiro".

E porque decidiu, então, o Esporão atrair morcegos e usá-los como "aliados" no controlo de pragas na vinha? A opção deve-se ao tipo de agricultura praticada na propriedade.

Dos 450 hectares de vinha, quase 138 são agricultura biológica, vedada a pesticidas e adubos químicos. Nos outros, em produção integrada, apesar de alguns produtos serem permitidos, a empresa evita usá-los, "sempre que possível", frisou Rui Flores.

"Em termos de doenças, temos tudo mais ou menos controlado", mas as pragas de insetos "são a nossa maior preocupação" e "temos de arranjar outras formas" para as controlar, através de medidas que favoreçam "o equilíbrio nos ecossistemas", argumentou.

O recurso aos morcegos e às caixas é uma dessas alternativas, a par de outras medidas de agricultura biológica.

O seu efeito no combate às pragas "não se consegue perceber" a "olho nu", nem no imediato, disse Mário Carmo, explicando, contudo, que o contributo destes pequenos "aliados" vai ser agora aferido, com análises genéticas ao guano (dejetos).

Desta forma, frisou, vai ser possível "perceber de que espécies de insetos se alimentam" e cruzar os dados com a lista de pragas na herdade: "Mesmo que comam os bons e os maus, desde que haja o equilíbrio, funciona".

"Ao princípio, toda a gente achava que era estranho" e que os morcegos não iam "entrar nessas caixas", mas "estamos a ter sucesso" e "acreditamos que, a médio e longo prazo, vamos ter resultados", afirmou Rui Flores.

Lusa
  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.