sicnot

Perfil

País

Greenpeace apela a Portugal que apresente queixa sobre centrais nucleares espanholas

A Greenpeace apelou esta segunda-feira a que Portugal se queixe junto das autoridades internacionais quanto ao que considera ser a falta de condições de segurança das centrais nucleares espanholas, assegurando que Madrid não está a informar Lisboa sobre os impactos ambientais.

De acordo com a Greenpeace, além de Espanha, em vários países da Europa analisados - Bélgica, República Checa, França, Alemanha, Eslováquia, Eslovénia, Suíça, Suécia e Reino Unido - os planos nacionais em vigor também não aumentam de forma suficiente a segurança dos reatores nucleares. (Arquivo)

De acordo com a Greenpeace, além de Espanha, em vários países da Europa analisados - Bélgica, República Checa, França, Alemanha, Eslováquia, Eslovénia, Suíça, Suécia e Reino Unido - os planos nacionais em vigor também não aumentam de forma suficiente a segurança dos reatores nucleares. (Arquivo)

© Benoit Tessier / Reuters

"Quando se tem de dar ou renovar uma licença de exploração [de uma central nuclear], a Convenção (que diz respeito às declarações de impacto ambiental transfronteiriço) dispõe que Espanha está obrigada a facilitar e comunicar esses estudos de impacto a Portugal e não o está a fazer", disse à agência Lusa a responsável da Greenpeace para a área da Energia Nuclear, Raquel Montón. 

A responsável acusou diretamente o Ministério da Indústria, Energia e Turismo espanhol (que tem a tutela deste assunto) de não estar a cumprir essa obrigação para com Portugal. 

A Agência Lusa pediu um comentário ao Ministério da Indústria, Energia e Turismo de Espanha, mas até ao momento ainda não obteve resposta.

De acordo com a Greenpeace, a central nuclear espanhola de Almaraz, a mais próxima da fronteira portuguesa, "chumbou" num teste de resistência pedido pela organização ambientalista, evidenciando a falta do mesmo tipo de válvulas que permitiu o acidente em Fukushima, Japão.

As conclusões da Greenpeace constam de um relatório que a organização está a apresentar na Conferência bianual do Grupo de Reguladores Europeus de Segurança Nuclear (ENSREG), que decorre até terça-feira em Bruxelas.

"Em Espanha fez-se a análise da central de Almaraz, precisamente por porque é a que está mais próxima da fronteira com Portugal - outro país membro da União - e porque é a central nuclear em operação mais velha de Espanha", disse.

Por isso mesmo, a Greenpeace "está a tentar que países - como por exemplo Portugal - reclamem junto das autoridades, acionando os convénios internacionais para que se realizem estudos de impacto ambiental mais participados, num processo muito mais transparente".

De acordo com a Greenpeace, além de Espanha, em vários países da Europa analisados - Bélgica, República Checa, França, Alemanha, Eslováquia, Eslovénia, Suíça, Suécia e Reino Unido - os planos nacionais em vigor também não aumentam de forma suficiente a segurança dos reatores nucleares.

"Não foram aplicadas medidas de proteção cruciais - por exemplo- contra terremotos, inundações e explosões de hidrogénio, nem a instalação de válvulas de segurança adequadas para prevenir a libertação de radioatividade para o meio ambiente em caso de acidente", indicou a organização ambientalista.
Lusa
  • Dirigentes do GD Ribeirão acusados de auxílio à emigração ilegal
    1:34

    Desporto

    Oito dirigentes do Grupo Desportivo de Ribeirão, um clube de Vila Nova de Famalicão que fechou as portas em 2015, foram acusados pelo Ministério Público.Em causa, estão suspeitas de auxílio à emigração ilegal ou falsificação de documentos, relacionadas com transferências de jogadores estrangeiros em situação ilegal.

  • O primeiro eclipse solar do ano
    0:57
  • O Nokia 3310 está de volta
    1:16