sicnot

Perfil

País

Leitura do acórdão do julgamento de "Palito" adiada para 10 de julho

A defesa de Manuel "Palito" pediu o adiamento da leitura do acórdão devido a alteração não substancial da prova produzida em julgamento. O coletivo de juízes deu como provada a existência de quatro disparos embora só existam provas de três disparos.

LUSA

Manuel Pinto Baltazar, conhecido por "Palito", está acusado de ter disparado uma arma tipo caçadeira contra a filha e a ex-mulher (Sónia Baltazar e Maria Angelina Baltazar, que ficaram feridas) e duas familiares desta (a tia e a mãe, Elisa Barros e Maria Lina Silva, que morreram).

A acusação refere que Manuel Baltazar atingiu primeiro Elisa Barros, a seguir Maria Angelina e depois, numa altura em que Sónia e Maria Lina estavam de costas, a uma distância de cerca de cinco metros, empunhou novamente a arma e disparou, atingindo a filha e a ex-sogra.

A presidente do coletivo de juízes, Cândida Martinho, leu uma deliberação que teve como objetivo concretizar que, nesse momento, foram disparados dois tiros, atendendo ao que disseram várias testemunhas e assistentes durante a produção de prova e aos vestígios encontrados no local.

Segundo a juíza, Manuel Baltazar "agiu com intenção de provocar a morte" quer à filha, quer à ex-sogra.

"São concretizações", frisou, acrescentando que não se trata de nenhuma novidade e que esta é uma matéria que foi sendo debatida ao longo do julgamento.

Apesar disso, o advogado de Manuel Baltazar, Manuel Rodrigues, disse não prescindir do prazo para exercer o direito de defesa e, por isso, a leitura do acórdão foi adiada para 10 de julho.

Manuel Baltazar está acusado de quatro crimes de homicídio qualificado (dois dos quais na forma tentada) ocorridos em Valongo dos Azeites em abril de 2014, um crime de detenção de arma proibida e outro de violação de proibições ou interdições.

À saída da sala de audiências, Manuel Rodrigues admitiu que, com ou sem esta alteração à acusação, "Palito" não se livrará da pena máxima de 25 anos de prisão, porque confessou dois homicídios.

No entanto, manteve a convicção de que ele não quis matar a ex-mulher, nem a filha e, por isso, está em causa uma "questão de honra".

"Para o Manuel, essa questão é importante. É uma questão de honra, de consciência, de humanidade, dos valores que fazem de nós pessoas", justificou.

O advogado considerou que a necessidade desta deliberação se prende com "deficiências estruturais notórias e evidentes" na acusação, para as quais tem chamado a atenção deste o início do processo.

"Se os factos que resultam do inquérito e da prova estivessem na acusação, o tribunal não precisava de proceder à alteração. O problema tem a ver com a acusação, que tal como estava formulada não permitia concluir que o Manuel disparou um tiro na avó e outro na filha", acrescentou.

O seu papel enquanto advogado é "esgotar todos os mecanismos de defesa" para clarificar os factos a favor do seu cliente, apesar de admitir "não ter nenhuma expectativa em relação à pena".

Com Lusa
  • "Palito" conhece hoje decisão do tribunal

    País

    O presumível homicida de S. João da Pesqueira, que está acusado de ter matado duas mulheres e provocado ferimentos a outras duas, em abril de 2014, conhece hoje à tarde a decisão do tribunal de Viseu.

  • Ministério Público pede a condenação máxima para "Manuel Palito"
    1:28

    País

    O Ministério Público pediu a condenação máxima para o homicida que, no ano passado, matou duas mulheres e feriu outras duas em São João da Pesqueira, num caso que se tornou mais mediático depois de uma fuga às autoridades que durou mais de um mês. A defesa de Manuel Palito alega que o arguido agiu por impulso e não quis matar a ex-mulher e a filha.

  • Advogado de “Palito” afirma que arguido está arrependido
    0:43

    País

    Arrancou hoje no Tribunal de Viseu o julgamento de Manuel Baltazar, suspeito de ter assassinado duas mulheres e ter ferido outras duas, em abril do ano passado. O advogado de Manuel Baltazar, também conhecido por “Palito”, assume que o arguido carrega uma grande culpa e está arrependido. Manuel Rodrigues sublinha que Baltazar assumiu apenas alguns dos crimes pelos quais está acusado.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC