sicnot

Perfil

País

Leitura do acórdão do julgamento de "Palito" adiada para 10 de julho

A defesa de Manuel "Palito" pediu o adiamento da leitura do acórdão devido a alteração não substancial da prova produzida em julgamento. O coletivo de juízes deu como provada a existência de quatro disparos embora só existam provas de três disparos.

LUSA

Manuel Pinto Baltazar, conhecido por "Palito", está acusado de ter disparado uma arma tipo caçadeira contra a filha e a ex-mulher (Sónia Baltazar e Maria Angelina Baltazar, que ficaram feridas) e duas familiares desta (a tia e a mãe, Elisa Barros e Maria Lina Silva, que morreram).

A acusação refere que Manuel Baltazar atingiu primeiro Elisa Barros, a seguir Maria Angelina e depois, numa altura em que Sónia e Maria Lina estavam de costas, a uma distância de cerca de cinco metros, empunhou novamente a arma e disparou, atingindo a filha e a ex-sogra.

A presidente do coletivo de juízes, Cândida Martinho, leu uma deliberação que teve como objetivo concretizar que, nesse momento, foram disparados dois tiros, atendendo ao que disseram várias testemunhas e assistentes durante a produção de prova e aos vestígios encontrados no local.

Segundo a juíza, Manuel Baltazar "agiu com intenção de provocar a morte" quer à filha, quer à ex-sogra.

"São concretizações", frisou, acrescentando que não se trata de nenhuma novidade e que esta é uma matéria que foi sendo debatida ao longo do julgamento.

Apesar disso, o advogado de Manuel Baltazar, Manuel Rodrigues, disse não prescindir do prazo para exercer o direito de defesa e, por isso, a leitura do acórdão foi adiada para 10 de julho.

Manuel Baltazar está acusado de quatro crimes de homicídio qualificado (dois dos quais na forma tentada) ocorridos em Valongo dos Azeites em abril de 2014, um crime de detenção de arma proibida e outro de violação de proibições ou interdições.

À saída da sala de audiências, Manuel Rodrigues admitiu que, com ou sem esta alteração à acusação, "Palito" não se livrará da pena máxima de 25 anos de prisão, porque confessou dois homicídios.

No entanto, manteve a convicção de que ele não quis matar a ex-mulher, nem a filha e, por isso, está em causa uma "questão de honra".

"Para o Manuel, essa questão é importante. É uma questão de honra, de consciência, de humanidade, dos valores que fazem de nós pessoas", justificou.

O advogado considerou que a necessidade desta deliberação se prende com "deficiências estruturais notórias e evidentes" na acusação, para as quais tem chamado a atenção deste o início do processo.

"Se os factos que resultam do inquérito e da prova estivessem na acusação, o tribunal não precisava de proceder à alteração. O problema tem a ver com a acusação, que tal como estava formulada não permitia concluir que o Manuel disparou um tiro na avó e outro na filha", acrescentou.

O seu papel enquanto advogado é "esgotar todos os mecanismos de defesa" para clarificar os factos a favor do seu cliente, apesar de admitir "não ter nenhuma expectativa em relação à pena".

Com Lusa
  • "Palito" conhece hoje decisão do tribunal

    País

    O presumível homicida de S. João da Pesqueira, que está acusado de ter matado duas mulheres e provocado ferimentos a outras duas, em abril de 2014, conhece hoje à tarde a decisão do tribunal de Viseu.

  • Ministério Público pede a condenação máxima para "Manuel Palito"
    1:28

    País

    O Ministério Público pediu a condenação máxima para o homicida que, no ano passado, matou duas mulheres e feriu outras duas em São João da Pesqueira, num caso que se tornou mais mediático depois de uma fuga às autoridades que durou mais de um mês. A defesa de Manuel Palito alega que o arguido agiu por impulso e não quis matar a ex-mulher e a filha.

  • Advogado de “Palito” afirma que arguido está arrependido
    0:43

    País

    Arrancou hoje no Tribunal de Viseu o julgamento de Manuel Baltazar, suspeito de ter assassinado duas mulheres e ter ferido outras duas, em abril do ano passado. O advogado de Manuel Baltazar, também conhecido por “Palito”, assume que o arguido carrega uma grande culpa e está arrependido. Manuel Rodrigues sublinha que Baltazar assumiu apenas alguns dos crimes pelos quais está acusado.

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59