sicnot

Perfil

País

Maria Barroso continua em "coma profundo irreversível"

Maria Barroso, mulher do ex-Presidente da República e uma das fundadoras do partido socialista, continuava às 17 horas desta segunda-feira em "coma profundo irreversível e numa situação muito crítica", informou o Hospital da Cruz Vermelha.

A mulher do ex-Presidente da República foi internada na madrugada de sexta-feira no Hospital da Cruz Vermelha Portuguesa na sequência de uma queda, estando desde então em coma profundo. (Arquivo)

A mulher do ex-Presidente da República foi internada na madrugada de sexta-feira no Hospital da Cruz Vermelha Portuguesa na sequência de uma queda, estando desde então em coma profundo. (Arquivo)

GUILHERME VENANCIO / AP

Segundo refere a Cruz Vermelha, o estado de saúde de Maria de Jesus Barroso Soares "não regista alterações significativas" em relação ao quadro clínico de domingo, com os parâmetros vitais a manterem-se "estáveis, continuando em coma profundo irreversível e numa situação muito crítica".

A mulher do ex-Presidente da República foi internada na madrugada de sexta-feira no Hospital da Cruz Vermelha Portuguesa na sequência de uma queda, estando desde então em coma profundo.

Maria Barroso, 90 anos, casou com Mário Soares em 1949, de quem tem dois filhos, João e Isabel. Atriz, foi uma das fundadoras do Partido Socialista, liderado por Mário Soares, em Badem Munstereifel, na Alemanha, em 1973.

Um dos seus últimos cargos públicos foi a presidência da Cruz Vermelha Portuguesa, tendo também dirigido a associação Pro Dignitate, que ajudou a fundar. 

Diplomou-se em Arte Dramática na escola de Teatro do Conservatório Nacional e licenciou-se depois em Ciências Histórico-Filosóficas, na Faculdade de Letras de Lisboa, onde conheceu Mário Soares.
Lusa
  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.