sicnot

Perfil

País

Quatro distritos sob aviso laranja devido ao tempo quente

Quatro distritos do continente estão hoje sob aviso laranja e outros sete a amarelo devido à previsão de tempo quente, informou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

© Rafael Marchante / Reuters

De acordo com o IPMA, os distritos de Castelo Branco, Portalegre, Évora e Beja estão sob aviso laranja, o segundo mais grave de uma escala de quatro, entre as 00:00 e as 18:00 de hoje devido à persistência de valores elevados das temperaturas máximas.

O IPMA colocou também sob aviso amarelo os distritos de Vila Real, Bragança, Viseu, Guarda, Santarém, Lisboa e Setúbal devido ao tempo quente entre as 00:00 e as 18:00 de hoje.

Também a Madeira está sob aviso amarelo desde as 00:00 e até às 18:00 devido à persistência de valores elevados da temperatura máxima.

O aviso laranja implica uma situação meteorológica de risco moderado a elevado enquanto o amarelo é o terceiro mais grave de uma escala de quatro e é emitido sempre que existe uma situação de risco para determinadas atividades que dependem do estado do tempo.

O IPMA prevê para hoje no continente tempo quente com céu geralmente limpo, apresentando-se temporariamente nublado até meio da manhã no litoral da região centro e na faixa costeira sul.

Está também previsto vento fraco, soprando temporariamente moderado de noroeste no litoral oeste durante a tarde, neblina matinal no litoral da região centro e pequena subida da temperatura máxima nas regiões norte e centro, em especial no litoral.

Na Madeira prevê-se períodos de céu muito nublado, apresentando-se geralmente pouco nublado nas vertentes sul da ilha, e vento fraco a moderado do quadrante norte.

Em Lisboa as temperaturas vão oscilar entre 19 e 35 graus Celsius, no Porto entre 16 e 28, em Vila Real entre 18 e 38, em Viseu entre 19 e 36, em Bragança entre 17 e 37, em Castelo Branco entre 23 e 42, em Portalegre entre 28 e 41, em Évora entre 18 e 40, em Beja entre 22 e 40, em Santarém entre 16 e 37, em Setúbal entre 18 e 27, em Faro entre 21 e 27 e no Funchal entre 21 e 25.



Lusa


  • "Sobre este pântano, não é possível jogar futebol seriamente na próxima época"
    4:46

    Opinião

    David Borges esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, da SIC Notícias, onde analisou as acusações do FC Porto ao Benfica, no caso dos e-mails. O comentador da SIC disse que falta saber se "tudo é verdade" e se os documentos são verdadeiros, o que compete ao Ministério Público apurar. David Borges defendeu ainda que era "bom" que a investigação decorresse de forma rápida e profunda; e não acredita que perante a polémica, se consiga jogar "futebol seriamente", na próxima época.

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Trump volta a garantir que não tentou interferir na investigação do FBI
    0:17

    Mundo

    O Presidente dos EUA reitera que não tentou interferir na investigação do FBI em relação às alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais. Questionado sobre as gravações das conversas que manteve com o ex-diretor da polícia de investigação, James Comey, Donald Trump prometeu esclarecimentos num futuro breve.

  • "A informação pode ter saído depois da hora do exame de Português"
    1:19

    País

    O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais diz que é preciso aguardar pelas conclusões do relatório sobre a alegada fuga de informação do exame nacional de Português. Jorge Ascensão defende que a investigação deve causar o mínimo de impacto aos alunos que realizaram a prova.