sicnot

Perfil

País

Visitas a mais de 50 monumentos portugueses disponíveis para todos na Google

Mais de 50 locais, entre monumentos, castelos ou paisagens, já podem ser "visitados" virtualmente, por qualquer cibernauta, em todo o mundo, através de um instrumento da Google, uma forma de valorizar a cultura e o turismo de Portugal.  

© Nacho Doce / Reuters

O projeto "Maravilhas de Portugal", hoje apresentado em Lisboa, é uma iniciativa da Direção-Geral do Património Cultural e da multinacional Google, e junta tecnologia, cultura, promoção turística e cultural, numa projeção que o secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, espera que "possa valorizar, por um lado, a cultura por si só e, por outro, as visitas a Portugal".

"A importância [deste projeto] é muito grande, sendo a Google o maior motor de busca do mundo", disse Jorge Barreto Xavier, realçando "a possibilidade [de ter], com o pormenor e o detalhe, uma visita a 360 graus, ao conjunto dos 57 monumentos que, a partir de hoje, estão disponíveis 'online' para todo o mundo".

O governante falava aos jornalistas, na Torre de Belém, um dos monumentos da lista a visitar, no final da apresentação dos novos locais disponibilizados no projeto de digitalização do património português, que, desde 2012, permite visualizar pontos de interesse cultural, natural e arquitetónico.

Mosteiro dos Jeróminos, Palácios de Queluz ou da Pena, Baixa Pombalina, Praça do Império, Sé da Braga, Muralhas da Vila de Óbidos, Castelo de Guimarães, Mosteiro da Batalha, Alto Douro Vinhateiro ou a Serra da Estrela são alguns dos locais que podem ser vistos, em imagens visita virtual, a partir da página de internet da Google ou da Google Maps.

O projeto, no entanto, prossegue e o secretário de Estado anunciou que "vai haver uma outra fase, agora a ser trabalhada, da valorização das peças" dos museus nacionais.

"Já estamos a trabalhar com várias instituições culturais do país, como a Galeria de Arte Urbana de Lisboa Festival de Arte Urbana da Covilhã ou Museu Berardo", avançou a responsável pela gestão dos programas do Instituto Cultural da Google, Luisella Mazza. 

Jorge Barreto Xavier salientou que o Estado não interferiu "diretamente" na referenciação e escolha dos monumentos.

"O investimento do Estado português é essencialmente de acompanhamento técnico de valorização da presença e de referenciação daquilo que achamos serem os monumentos mais importantes", realçou. 

No discurso, perante uma assistência que incluía representantes da área cultural e do turismo, assim como alguns presidentes de câmaras municipais, Barreto Xavier defendeu que, "por mais valiosas que sejam as possibilidades de acesso à informação e ao conhecimento através de redes digitais, nada substitui a plenitude de fruição de um bem cultural ou natural numa visita ao próprio local".

No entanto, considerou que, tanto as componentes estritamente culturais, como a ligação com matérias educativas, turismo, ambiente e economia, "têm a ganhar" com o novo projeto da Google.

Jorge Barreto Xavier espera, como realçou, com a Google e com outros parceiros, "poder contribuir para melhorar os mecanismos de acesso legal a conteúdos, combatendo o 'download' ilegal e a pirataria informática, nocivos para os detentores de direitos de propriedade intelectual e para a economia".



  • Manuel Delgado demitiu-se devido a "grave violação da privacidade"

    País

    O ex-secretário de Estado da Saúde diz que apresentou a demissão para "não perturbar nem criar qualquer tipo de embaraço ao normal funcionamento do Governo". Num comunicado, Manuel Delgado esclarece que foi remunerado pelo trabalho de consultor na Raríssimas "muito antes" da entrada no Governo e acrescenta que respeitou na íntegra todo o quadro legal e ético.

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Tripulantes da TAP acusam companhia de desrespeitar compromissos
    3:16

    Economia

    O Sindicato que representa os tripulantes da TAP acusa a empresa de estar a violar a lei. A companhia aérea portuguesa denunciou unilateralmente o acordo de empresa com os tripulantes e apresentou novas condições, que o sindicato considera indignas. Diz que os tripulantes fizeram esforços pela companhia no verão e que agora estão a ser desrespeitados.

  • Uma "Árvore da Esperança" pelas vítimas dos fogos
    2:01
  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06
  • Zapatou volta a eleger os melhores vídeos da internet
    6:28