sicnot

Perfil

País

SEF desmantela na região Oeste negócio de auxílio à imigração ilegal

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) anunciou hoje o desmantelamento na Lourinhã e Bombarral de um negócio em que eram emitidos contratos de trabalho falsos para garantir a permanência de cidadãos ilegais em Portugal e noutros países europeus.  

Em comunicado, o SEF refere que os dois detidos foram presentes aos tribunais de Aveiro e Espinho. (Arquivo)

Em comunicado, o SEF refere que os dois detidos foram presentes aos tribunais de Aveiro e Espinho. (Arquivo)

SIC

Na sequência de três buscas domiciliárias, o SEF deteve uma mulher, de 49 anos, e um irmão, seu cúmplice, que, após serem presentes a tribunal, ficaram a aguardar julgamento sob o termo de identidade e residência.

A suspeita, sem qualquer competência ou habilitação profissional, cobrava 500 euros para "emitir falsos contratos de trabalho a fim de assim garantir a regularização documental de cidadãos estrangeiros que permaneciam ilegalmente em Portugal e noutros países da União Europeia", refere um comunicado do SEF.

A investigação, coordenada pelo Ministério Público da Lourinhã, foi desencadeada por haver um "considerável número de cidadãos estrangeiros a solicitar ao SEF autorização de residência para o exercício de atividade profissional subordinada, sendo que a maioria residia na Holanda".

As autoridades detetaram casos de cidadãos que viajavam para Portugal "apenas com o intuito de obter e renovar os seus títulos de residência".

Durante a operação, foi apreendida documentação comprovativa de atividade criminosa ligada ao auxílio à imigração ilegal e à falsificação de documentos, nomeadamente contratos de trabalho, extratos bancários, minutas de requerimentos e agendas, que constituem prova dos crimes praticados, bem como computadores, suportes digitais e uma arma de fogo ilegal.

Lusa

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06