sicnot

Perfil

País

Governo quer mais alunos estrangeiros e mais ensino à distância no Superior

As prioridades da estratégia de internacionalização do ensino superior português passam pela atração de alunos internacionais e pelo desenvolvimento do ensino à distância, de acordo com o documento aprovado esta quinta-feira em Conselho de Ministros.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Além de atrair alunos de outros países para as instituições de ensino superior nacionais - possibilidade aberta com a publicação do Estatuto do Estudante Internacional -, o Governo quer ainda dar prioridade ao "desenvolvimento do ensino a distância", focando-se sobretudo na "dinamização de cursos abertos 'online' em língua portuguesa de preparação para o ingresso no sistema de ensino superior nacional".

O Governo quer mais alunos e mais oferta para o ensino à distância, referindo que, na Universidade Aberta, que oferece esta modalidade de ensino superior, um terço dos 10 mil alunos são estrangeiros.

A "Estratégia para a Internacionalização do Ensino Superior", hoje aprovada, determina ainda a "elaboração do Plano de Ação Bienal, a validar pelo membro do Governo responsável pela área do Ensino Superior, bem como a criação do Conselho para a Internacionalização do Ensino Superior (CIESP)".

"A este Conselho compete, designadamente, apreciar o plano de ação bienal para a internacionalização do ensino superior e emitir parecer sobre o mesmo, emitir recomendações, pronunciar-se sobre as matérias que lhe sejam submetidas no âmbito do Ensino Superior e promover a coordenação entre as diferentes instituições e entidades nele representadas estabelecendo uma rede de pontos focais", explicou o Ministério da Educação e Ciência (MEC), em comunicado.

O ministério, que sublinhou que um dos objetivos da estratégia é promover a marca "Study in Portugal" (Estudar em Portugal) destacou o potencial do país para atrair alunos estrangeiros pela sua integração em espaços como o da União Europeia ou a Comunidade de Países de Língua de Portuguesa (CPLP).

De acordo com os números divulgados pela tutela, mais de 31 mil alunos estrangeiros escolheram Portugal para estudar em 2013-2014, incluindo os alunos abrangidos pelo programa europeu de intercâmbio universitário Erasmus, e 85 dos estudantes internacionais tinham origem ou na União Europeia, ou na CPLP.

Ainda assim, Portugal está longe de ser um destino prioritário para quem quer estudar fora: de acordo com o MEC, o país acolhe "o equivalente a cerca de 0,6% dos estudantes internacionais em mobilidade no mundo inteiro".

O documento hoje aprovado prevê ainda a definição de "uma estratégia específica de cooperação com outros países com grandes comunidades luso descendentes (Estados Unidos, Canadá, França, Suíça, Luxemburgo)".

A mobilidade de docentes e investigadores, e a "definição dos perfis de especialização para a internacionalização das instituições de ensino superior" fazem também parte da agenda.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.