sicnot

Perfil

País

Governo quer mais alunos estrangeiros e mais ensino à distância no Superior

As prioridades da estratégia de internacionalização do ensino superior português passam pela atração de alunos internacionais e pelo desenvolvimento do ensino à distância, de acordo com o documento aprovado esta quinta-feira em Conselho de Ministros.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Além de atrair alunos de outros países para as instituições de ensino superior nacionais - possibilidade aberta com a publicação do Estatuto do Estudante Internacional -, o Governo quer ainda dar prioridade ao "desenvolvimento do ensino a distância", focando-se sobretudo na "dinamização de cursos abertos 'online' em língua portuguesa de preparação para o ingresso no sistema de ensino superior nacional".

O Governo quer mais alunos e mais oferta para o ensino à distância, referindo que, na Universidade Aberta, que oferece esta modalidade de ensino superior, um terço dos 10 mil alunos são estrangeiros.

A "Estratégia para a Internacionalização do Ensino Superior", hoje aprovada, determina ainda a "elaboração do Plano de Ação Bienal, a validar pelo membro do Governo responsável pela área do Ensino Superior, bem como a criação do Conselho para a Internacionalização do Ensino Superior (CIESP)".

"A este Conselho compete, designadamente, apreciar o plano de ação bienal para a internacionalização do ensino superior e emitir parecer sobre o mesmo, emitir recomendações, pronunciar-se sobre as matérias que lhe sejam submetidas no âmbito do Ensino Superior e promover a coordenação entre as diferentes instituições e entidades nele representadas estabelecendo uma rede de pontos focais", explicou o Ministério da Educação e Ciência (MEC), em comunicado.

O ministério, que sublinhou que um dos objetivos da estratégia é promover a marca "Study in Portugal" (Estudar em Portugal) destacou o potencial do país para atrair alunos estrangeiros pela sua integração em espaços como o da União Europeia ou a Comunidade de Países de Língua de Portuguesa (CPLP).

De acordo com os números divulgados pela tutela, mais de 31 mil alunos estrangeiros escolheram Portugal para estudar em 2013-2014, incluindo os alunos abrangidos pelo programa europeu de intercâmbio universitário Erasmus, e 85 dos estudantes internacionais tinham origem ou na União Europeia, ou na CPLP.

Ainda assim, Portugal está longe de ser um destino prioritário para quem quer estudar fora: de acordo com o MEC, o país acolhe "o equivalente a cerca de 0,6% dos estudantes internacionais em mobilidade no mundo inteiro".

O documento hoje aprovado prevê ainda a definição de "uma estratégia específica de cooperação com outros países com grandes comunidades luso descendentes (Estados Unidos, Canadá, França, Suíça, Luxemburgo)".

A mobilidade de docentes e investigadores, e a "definição dos perfis de especialização para a internacionalização das instituições de ensino superior" fazem também parte da agenda.

Lusa

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • O que muda com a saída do Procedimento por Défice Excessivo?
    2:10
  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.

  • Marcelo opta pelo silêncio sobre a eutanásia
    1:09

    Eutanásia

    Marcelo Rebelo de Sousa diz que só tomará uma posição sobre a eutanásia quando o diploma chegar a Belém. O chefe de Estado garante que vai ficar em silêncio, para não condicionar o debate e também "para ficar de mãos livres para decidir".