sicnot

Perfil

País

Governo quer mais alunos estrangeiros e mais ensino à distância no Superior

As prioridades da estratégia de internacionalização do ensino superior português passam pela atração de alunos internacionais e pelo desenvolvimento do ensino à distância, de acordo com o documento aprovado esta quinta-feira em Conselho de Ministros.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Além de atrair alunos de outros países para as instituições de ensino superior nacionais - possibilidade aberta com a publicação do Estatuto do Estudante Internacional -, o Governo quer ainda dar prioridade ao "desenvolvimento do ensino a distância", focando-se sobretudo na "dinamização de cursos abertos 'online' em língua portuguesa de preparação para o ingresso no sistema de ensino superior nacional".

O Governo quer mais alunos e mais oferta para o ensino à distância, referindo que, na Universidade Aberta, que oferece esta modalidade de ensino superior, um terço dos 10 mil alunos são estrangeiros.

A "Estratégia para a Internacionalização do Ensino Superior", hoje aprovada, determina ainda a "elaboração do Plano de Ação Bienal, a validar pelo membro do Governo responsável pela área do Ensino Superior, bem como a criação do Conselho para a Internacionalização do Ensino Superior (CIESP)".

"A este Conselho compete, designadamente, apreciar o plano de ação bienal para a internacionalização do ensino superior e emitir parecer sobre o mesmo, emitir recomendações, pronunciar-se sobre as matérias que lhe sejam submetidas no âmbito do Ensino Superior e promover a coordenação entre as diferentes instituições e entidades nele representadas estabelecendo uma rede de pontos focais", explicou o Ministério da Educação e Ciência (MEC), em comunicado.

O ministério, que sublinhou que um dos objetivos da estratégia é promover a marca "Study in Portugal" (Estudar em Portugal) destacou o potencial do país para atrair alunos estrangeiros pela sua integração em espaços como o da União Europeia ou a Comunidade de Países de Língua de Portuguesa (CPLP).

De acordo com os números divulgados pela tutela, mais de 31 mil alunos estrangeiros escolheram Portugal para estudar em 2013-2014, incluindo os alunos abrangidos pelo programa europeu de intercâmbio universitário Erasmus, e 85 dos estudantes internacionais tinham origem ou na União Europeia, ou na CPLP.

Ainda assim, Portugal está longe de ser um destino prioritário para quem quer estudar fora: de acordo com o MEC, o país acolhe "o equivalente a cerca de 0,6% dos estudantes internacionais em mobilidade no mundo inteiro".

O documento hoje aprovado prevê ainda a definição de "uma estratégia específica de cooperação com outros países com grandes comunidades luso descendentes (Estados Unidos, Canadá, França, Suíça, Luxemburgo)".

A mobilidade de docentes e investigadores, e a "definição dos perfis de especialização para a internacionalização das instituições de ensino superior" fazem também parte da agenda.

Lusa

  • Manuel Valls diz que Trump fez declaração de guerra à Europa

    Mundo

    O antigo primeiro-ministro francês Manuel Valls, aspirante a candidato socialista às presidenciais deste ano, considerou esta segunda-feira como uma "declaração de guerra" as afirmações do futuro Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre a União Europeia.

  • Morreu o último homem que pisou a Lua

    Mundo

    O astronauta norte-americano Eugene Cernan, o último homem a pisar a Lua, morreu esta segunda-feira aos 82 anos, informou a agência espacial norte-americana, NASA.

  • Novo motim em prisão brasileira do Rio Grande do Norte

    Mundo

    Um motim ocorreu esta segunda-feira de madrugada numa prisão do estado brasileiro de Rio Grande do Norte, sem fazer feridos ou mortos, depois de uma rebelião numa outra prisão do mesmo estado ter feito 26 mortos no fim de semana.

  • Cheias e derrocadas destroem várias casas no Peru
    0:42

    Mundo

    Um deslizamento de terras seguido de uma inundação destruiu várias casas no Peru. As imagens mostram o momento em que o deslizamento acontece e o caos que se gerou. O trânsito ficou cortado e as inundações que se seguiram obrigaram várias pessoas a abandonar as suas habitações.