sicnot

Perfil

País

GNR aperta fiscalização a condução sob efeito de álcool e drogas

A Guarda Nacional Republicana vai arrancar neste fim de semana com uma operação de fiscalização de condução sob o efeito de álcool e drogas, estando previstas mais de 500 ações de fiscalização.

(SIC/ Arquivo)

Em comunicado, a GNR anuncia que na madrugada de sábado e de domingo vai levar a cabo a operação Baco, de fiscalização de álcool e drogas, prevendo realizar 509 ações de fiscalização.

Em declarações à agência Lusa, o major Marco Cruz explicou que esta será uma ação de âmbito nacional, mas mais concentrada na faixa litoral, já que os cerca de 1.800 operacionais da GNR vão estar principalmente nas vias de acesso a estabelecimentos de diversão noturna.

A operação de fiscalização vai decorrer tanto em estradas nacionais, regionais ou municipais, principalmente aquelas "onde as infrações por excesso de álcool são mais frequentes e dão mais origem a um risco acrescido de acidentes de viação", refere a GNR.

De acordo com o major Marco Cruz, a atual época do ano é delicada porque há muita atividade noturna, principalmente nas zonas do Algarve e Oeste.

Segundo a GNR, "desde o início do ano e até ao dia 30 de junho, foram fiscalizados 627 382 condutores, dos quais 14 285 conduziam com taxa de álcool no sangue superior ao permitido por lei, tendo 5 660  destes sido detidos por conduzirem com taxa crime (igual/superior a 1,20 gramas/litro)".

 

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.