sicnot

Perfil

País

Temperaturas máximas sobem a partir de segunda-feira

As temperaturas máximas vão subir gradualmente a partir de segunda-feira, prevê o  Instituto Português do Mar e da Atmosfera, mas não chega para se falar em "onda de calor". Já para o fim de semana, esperam-se valores entre os 24 e os 30 graus Celsius.

(EPA/Arquivo)

(EPA/Arquivo)

ARSHAD ARBAB

"No sábado vamos ter uma subida das temperaturas máximas, mas nada que se aproxime dos 40 graus do fim de semana anterior e início de semana [que correu]. Em Lisboa e Faro por exemplo vão atingir os 30 graus e em Évora 36º e Faro 23º", adiantou a meteorologista Cristiana Simões, do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

De acordo com Cristina Simões, no próximo domingo, as temperaturas máximas vão manter-se e, a partir de segunda-feira, é que se espera uma subida mais acentuada.

"O início de semana vai ser mais quente, com temperaturas mais elevadas no litoral. Ao longo da semana espera-se uma subida. As mínimas vão manter-se como estão, na ordem dos 13/15 graus", salientou.

Apesar da subida da temperatura máxima a partir de segunda-feira, Cristina Simões esclareceu que, para já, não se pode falar de "uma onda de calor".

"Não temos onda de calor no território do continente. São precisos valores de temperatura máxima acima de um determinado valor para cada estação e durante seis dias. Isso não está a acontecer, nem estamos a prever que isso aconteça. Vamos ver como decorre a próxima semana", disse.

De acordo com a meteorologista, a situação na Europa não está a afetar o território de Portugal continental.

"Não nos afeta porque estamos perante uma corrente de oeste que nos traz uma massa de ar mais do Atlântico, mais fresca e húmida, que, associada ao vento, faz com que as temperaturas não subam muito", referiu.

Segundo Cristina Simões, para já, as temperaturas estão baixas em relação ao que é preciso para uma onde de calor.

A agência estatal de meteorologia de Espanha alertou na quarta-feira passada para uma onde de calor excecional na Península Ibérica a partir de hoje, explicando que a excecionalidade será mais pela duração do que pelas temperaturas extremas.

Segundo a agência, "o novo episódio de calor será sentido mais concretamente a partir de domingo, 05 de julho, e estender-se-á por boa parte da próxima semana". 

"E as temperaturas atingidas superarão muito provavelmente os 40 graus Celsius", alertaram.

 

Com Lusa

  • Família Aveiro na inauguração do Aeroporto Cristiano Ronaldo
    2:34

    País

    A decisão de dar o nome de Cristiano Ronaldo ao aeroporto da Madeira divide opiniões. Contudo, na cerimónia de inauguração desta quarta-feira só se ouviram aplausos. Os madeirenses juntaram-se à porta do aeroporto para ver e receber o melhor jogador do mundo. Também a família do jogador esteve na Madeira para apoiar Ronaldo.

  • A (polémica) mudança de nome do aeroporto da Madeira
    2:00

    País

    O aeroporto da Madeira é desde esta quarta-feira aeroporto Cristiano Ronaldo. O Presidente da República e o primeiro-ministro estiveram juntos na homenagem ao futebolista. A alteração não é consensual entre os madeirenses.

  • O busto de Ronaldo que virou piada no mundo inteiro
    2:04

    País

    No dia em que foi formalizado o novo nome do aeroporto da Madeira, foi também conhecido o busto em bronze de Cristiano Ronaldo e que, desde logo, começou a provocar reações em todo o mundo. As críticas da imprensa internacional não são propriamente positivas e a internet aproveitou para dar contornos humorísticos à criação.

  • "Não há razão para fingirmos que hoje é um dia feliz"
    1:55

    Brexit

    Depois de receber esta quarta-feira a notificação do Brexit, o presidente do Conselho Europeu antecipou negociações difíceis. Donald Tusk diz que agora é preciso minimizar os prejuízos para os cidadãos europeus e para as empresas.

  • "Não há recuo possível"
    2:30

    Brexit

    O processo de saída do Reino Unido da União Europeia começou esta quarta-feira, com a ativação do artigo 50.º do Tratado de Lisboa. A notificação de Theresa May foi feita por carta a Donald Tusk e a primeira-ministra disse que não recuo possível. O processo de negociações levará dois anos e a saída do Reino Unido da União Europeia ficará concluída em 2019.