sicnot

Perfil

País

Nova lei não afasta menores do consumo de álcool no Summer Fest

Consumir bebidas alcoólicas compradas por amigos maiores de idade continua a ser a estratégia usada pelos menores no Summer Fest, na Ericeira, concelho de Mafra, o primeiro festival de música após a entrada em vigor da nova lei.

Dentro do recinto, Alexandre Vieira, de 17 anos, bebe uma cerveja, enquanto explica à agência Lusa que a bebida foi adquirida por um amigo, maior de idade. "Somos a geração que quanto mais cresce é proibida de beber", diz, explicando que foi confrontado com a anterior lei sobre a venda de álcool aos 16 anos.

Com a mesma idade, Tomás Marques, de 17 anos, também consome uma cerveja adquirida por amigos mais velhos. A consumir bebidas alcoólicas "há dois ou três anos", considera que, apesar da alteração à lei, não vai beber menos por isso.

Ambos são contra a nova lei, que proíbe a venda de bebidas alcoólicas a menores de 18 anos, por defenderem que "o fruto proibido é sempre o mais apetecido".

Apesar de ainda não terem consumido bebidas alcoólicas, Olena Vintorivna e Alexandre Vieira, ambas com 17 anos, partilham da mesma opinião.

A alternativa encontrada pelos jovens não é nova para a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), que está presente no terreno a fiscalizar várias atividades, entre as quais a venda de álcool a menores de 18 anos, confirmou à agência Lusa a inspetora Ana Oliveira.

A ASAE remeteu para o fim do evento os resultados das ações realizadas.

Durante o festival, a venda de álcool a menores é controlada pelos próprios bares do recinto. Vários funcionários contactados no recinto pela Lusa confirmaram que, sempre que surgem dúvidas em relação à idade, pedem a identificação dos consumidores.

"Quem não traz identificação, não bebe", diz Filipe Nunes, um deles. Contudo, admite Fernando Manuel, "metade não traz identificação e não dá para controlar".

Desde quarta-feira, data em que entrou em vigor a nova lei, a venda e consumo de qualquer tipo de bebida alcoólica estão proibidos a menores de 18 anos.

Direcionada para a fiscalização do trânsito, para o consumo e tráfico de estupefacientes e para a segurança pública, a GNR efetuou até agora duas detenções de jovens por estarem na posse de 151 gramas de haxixe destinadas à venda e levantou cinco contraordenações por consumo ilegal de droga, disse à Lusa o comandante do Destacamento de Mafra da GNR, João Amorim.

Depois de Agir, B4, Tove Lo, Chance The Rapper canta no palco principal do Summer Fest, numa noite que vai fechar com Buraka Som Sistema.

Sem revelar o número de bilhetes até agora vendidos, a organização espera nesta edição 40 mil espetadores, números que, a confirmar-se, vão duplicar os das últimas edições.

No sábado, atuam Slum Village, The Cat Empire, Rudimental, Projecto Bug e Richie Campbell, no palco principal, e Curadoria Sam The Kid, Dj D-One, Dj Damage, Roger Plexico, Sam The Kid e Grognation, no palco secundário.

 

 

 

 

Lusa

 

  • Madonna diz que América nunca desceu tão baixo
    2:12

    Mundo

    No mundo artístico, foram várias as vozes que se levantaram contra Trump, entre elas Madonna. A cantora disse esta quinta-feira em Nova Iorque, a propósito do dia da tomada de posse, que nunca a América desceu tão baixo. Já o ator Matthew McConaughey - que está em Londres - garantiu que não ia perder a cerimónia pela televisão.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida