sicnot

Perfil

País

BE ratifica hoje manifesto eleitoral e listas de candidatos às legislativas

O Bloco de Esquerda (BE) marcou para hoje uma reunião da sua Mesa Nacional para ratificar o manifesto eleitoral e as listas de candidatos pelo partido às legislativas deste ano.

Lusa

A reunião da Mesa Nacional do Bloco de Esquerda, o órgão máximo entre convenções desta força política, decorre a partir das 11:00 num hotel em Lisboa e cerca das 18:00 está agendada uma conferência de imprensa final com declarações da porta-voz do partido, Catarina Martins.

Em junho, o partido teve uma conferência nacional onde foi discutida e votada a versão final do manifesto eleitoral do partido para as eleições legislativas deste ano.

O BE avança rumo às eleições pretendendo implementar uma "revolução fiscal" que acabe com a "punição do trabalho", e propondo, por exemplo, um imposto sobre as grandes fortunas e uma taxa agravada para bens de luxo.

De acordo com o manifesto eleitoral, é proposto também no capítulo fiscal uma taxa sobre transações bolsistas e dividendos aos acionistas, o fim das "borlas fiscais" aos grandes grupos económicos no IRC, e a diminuição do IVA da restauração para 13% e da eletricidade e gás para os 6%.

No capítulo da reestruturação da dívida, o partido reclama um abatimento de 60% da dívida, com juro de 1,5% e pagamento entre 2022 e 2030, incluindo credores públicos e privados, salvaguardando certificados do tesouro e de aforro, bem como o fundo da Segurança Social.

O BE quer também que - após um período de carência de três anos - haja uma indexação do pagamento de juros à taxa anual de crescimento do PIB, e o partido pede ainda a devolução pelo Banco Central Europeu dos lucros que obteve com títulos da dívida portuguesa.

O "combate às remunerações globais abusivas" de administradores de empresas, procurando combater a "desigualdade" salarial nas mesmas, estará também na linha da frente das prioridades do BE.

O Bloco pretende também que sejam proibidos os despedimentos coletivos "em empresas com resultados positivos" e propõe a criação de uma taxa sobre o valor acrescentado das grandes empresas para o "financiamento solidário da segurança social".

"Segundo o INE, o valor acrescentado das grandes empresas não financeiras e as sociedades financeiras representou nos últimos anos mais de 40 mil milhões de euros/ano. Assim, uma taxa de 0,75% sobre o valor acrescentado das grandes empresas representa, mesmo no atual contexto de crise, um acréscimo de receitas de cerca de 300 milhões de euros/ano para a Segurança Social", advoga o partido.

 

 

 

Lusa

 

  • Tiroteio no Mississipi provoca oito mortos
    1:23

    Mundo

    Oito pessoas morreram, incluindo um polícia, depois de um tiroteio no estado norte-americano do Mississipi, nos Estados Unidos da América. O suspeito, um homem de 36 anos, já foi detido, mas as autoridades dizem que ainda é cedo para saber os motivos.

  • Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas
    1:40

    Economia

    Carlos Moedas diz que Portugal vai voltar a poder levantar a voz em Bruxelas a propósito da saída do procedimento por défice excessivo. Em entrevista ao Diário de Notícias e à TSF, o comissário europeu levanta dúvidas sobre a renegociação da dívida e garante que a escolha de Mário Centeno para a liderança do Eurogrupo vai depender do entendimento dos países do euro.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Polícia usa gás lacrimogéneo para dispersar manifestantes contra cimeira do G7
    2:28

    Mundo

    A cimeira do G7 terminou este sábado com confrontos entre manifestantes e a polícia na ilha italiana da Sicília e sem o compromisso de Donald Trump sobre o Acordo de Paris para a redução de emissões de dióxido de carbono. O Presidente dos EUA fez saber na rede social Twitter que vai tomar a decisão final durante a próxima semana.