sicnot

Perfil

País

Bombeira ferida no Douro Internacional helitransportada para o Porto

Uma bombeira de 50 anos, que sofreu queimaduras de segundo e terceiro graus nas pernas e braços durante o combate ao incêndio no Parque natural do Douro Internacional, vai ser helitransportada para o Hospital de S. João, no Porto.

O incêndio, que já lavra em duas freguesias do concelho de Mogadouro e está a ser combatido por cerca de 130 bombeiros, provocou queimaduras em duas operacionais. (Arquivo)

O incêndio, que já lavra em duas freguesias do concelho de Mogadouro e está a ser combatido por cerca de 130 bombeiros, provocou queimaduras em duas operacionais. (Arquivo)

SIC

O incêndio, que já lavra em duas freguesias do concelho de Mogadouro e está a ser combatido por cerca de 130 bombeiros, provocou queimaduras em duas operacionais.

Fonte da equipa do INEM destacada para o local adiantou que a mulher de 50 anos vai seguir para o heliporto do Hospital Pedro Hispano, Matosinhos, seguindo depois para o de S. João.

A fonte disse que ainda não está completado o diagnóstico à outra bombeira ferida, de 24 anos, que poderá vir também a necessitar de ser helitransportada para um hospital central.

O incêndio, que teve início naquele parque natural, em Bruçó, Mogadouro, alastrou, entretanto, para a freguesia vizinha de Castelo Branco e está a ser combatido por 130 bombeiros, apoiados por 42 viaturas e quatro aviões.

O major Cura Marques, das Relações Públicas do Comando Distrital de Bragança da GNR Bragança, adiantou à Lusa que o incêndio terá sido provocado por duas máquinas industriais que procediam ao carregamento de madeira.

Fonte da Proteção Civil Municipal de Mogadouro disse que as máquinas ficaram destruídas pelas chamas.

Segundo a página da Autoridade Nacional de Proteção Civil, o incêndio deflagrou cerca das 13:00 horas "e não há populações em perigo".

Lusa

  • António Costa evita perguntas sobre estágios não remunerados
    1:55
  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Trump adia decisão sobre permanência nos acordos de Paris
    1:48
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14