sicnot

Perfil

País

ASAE alerta para falsos inspetores que pedem pagamento de coimas

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) alertou esta segunda-feira para a prática de burla por pessoas que se apresentam como inspetores desta força de fiscalização, com identificação falsa, e pedem o pagamento de coimas em atraso.

(Arquivo)

(Arquivo)

A ASAE esclarece que "em nenhuma situação os inspetores efetuam qualquer tipo de contacto direto com os operadores económicos para pagamento de coimas 'in loco'" (no local) e todos os procedimentos são efetuados pelas vias formais e legais.

Por isso, os operadores económicos não devem aceder aos pedidos de "qualquer suposto inspetor", no sentido de serem efetuados pagamentos, e "devem de imediato contactar a força policial da zona" para "viabilizar a detenção em flagrante daqueles que indevidamente se façam passar por agentes da autoridade", salienta um comunicado da ASAE.

A autoridade para a segurança alimentar e a fiscalização económica informa que teve conhecimento da prática de burla, efetuada por indivíduos que se fazem passar por inspetores em estabelecimentos de hotelaria e de alojamento local, "exibindo, em alguns casos, identificação falsa".

O contacto dos falsos inspetores, explica, é por norma efetuado diretamente com os operadores económicos, no sentido de procederem à fiscalização do estabelecimento visado, mas "dando a indicação de que, para tal, devem efetuar uma transferência bancária ou procederem ao levantamento de quantias de dinheiro, supostamente para o pagamento de coimas em atraso".

Os lesados acabaram por dirigir-se à ASAE e à PSP, confirmaram a sua suspeita e apresentaram queixa.

Lusa

  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.