sicnot

Perfil

País

Chamas no concelho de Tomar controladas junto às povoações

A presidente da Câmara Municipal de Tomar, Anabela Freitas, disse à agência Lusa que o incêndio que deflagrou hoje às 12:54 no concelho está controlado junto aos núcleos populacionais, encontrando-se com três frentes ativas.

(Arquivo)

(Arquivo)

PAULO NOVAIS

Anabela Freitas, que se encontra junto ao posto de comando instalado na zona da Portela, na freguesia de S. Pedro de Tomar, disse à Lusa que o fogo se estendeu aos concelhos de Vila Nova da Barquinha, Constância e Abrantes, adiantando que, com os reforços que se encontram a caminho, os meios de combate "são suficientes".

Os presidentes das juntas de freguesia da área onde lavra o fogo estão a pedir às populações para regarem as zonas à volta das suas habitações, sendo "a preocupação primeira dos bombeiros a proteção das pessoas e dos seus bens", concentrando esforços no combate nas locais onde existem povoações próximas.

Anabela Freitas adiantou que o combate ao fogo tem sido dificultado pela ocorrência de "ventos cruzados".

Segundo a autarca, até ao momento arderam dois barracões agrícolas.

Filipe Regueira, comandante da sala de operações do Comando Distrital de Operações de Socorro de Santarém (CDOS), disse à Lusa que a prioridade está a ser colocada na defesa das povoações de Cafuz, Linhaceira e Asseiceira.

Segundo a informação disponibilizada na página da Autoridade Nacional de Proteção Civil na internet, o fogo está a ser combatido por 343 operacionais, ajudados por 105 viaturas e cinco meios aéreos, dois aviões médios, dois pesados e um helicóptero, tendo sido acionados reforços dos distritos de Leiria, Lisboa, Portalegre, Setúbal e Coimbra.

Lusa

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.