sicnot

Perfil

País

Risco de incêndio de muito elevado a máximo em regiões do interior

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) alertou hoje para o risco de incêndio florestal, de muito elevado a máximo, no Interior de Portugal continental, onde são esperadas temperaturas máximas superiores a 35ºC, na quarta e quinta-feira.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

Num aviso dirigido à população, a ANPC aponta o tempo seco e vento moderado, por vezes forte, como condições favoráveis para a eventual deflagração e propagação de fogos florestais nos próximos dois dias.

A ANPC precisa que a humidade relativa do ar esperada no interior será inferior, de dia, a 20 por cento e, de noite, não ultrapassará 40 por cento.

Quanto ao vento, será moderado no Litoral e pontualmente forte nas terras altas das regiões Norte e Centro, entre o final do dia de quarta-feira e a manhã de quinta-feira.

Na nota, a Autoridade Nacional de Proteção Civil lembra que, de acordo com a lei, não é permitida a realização de queimadas, fogueiras para recreio e lazer ou para confeção de comida, assim como fumar e fazer lume em zonas florestais e caminhos ou estradas que os circundem, lançar foguetes e balões com mecha acesa e usar equipamentos de queima e combustão para cozinhar alimentos ou iluminar.

A fumigação ou a desinfestação em apiários só pode ser efetuada com fumigadores que estejam equipados com "dispositivos de retenção de faúlhas". As máquinas utilizadas nas atividades agrícola e florestal devem ser mantidas limpas de óleos e poeiras e ser abastecidas "a frio em local com pouca vegetação".

Segundo as previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera, disponíveis no seu portal, os distritos mais quentes serão, na quarta-feira, Portalegre (37ºC), Castelo Branco, Évora e Beja (38ºC).

Na quinta-feira, com temperaturas esperadas acima dos 35ºC, estarão Bragança, Vila Real, Viseu (36ºC), Évora, Beja (38ºC), Castelo Branco e Portalegre (39ºC).

Lusa

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.