sicnot

Perfil

País

Consumo de antialérgicos aumentou 8,2%

O consumo de anti-histamínicos está a aumentar em Portugal, registando um crescimento de 8,2% no espaço de um ano, sendo que entre cinco países europeus analisados é o que mais consome este tipo de medicamentos, revela um estudo.

© Bogdan Cristel / Reuters

De acordo com dados da consultora IMS Health, resultantes de uma análise feita a Portugal, Reino Unido, França, Itália, Espanha e Alemanha sobre o consumo de anti-histamínicos, os portugueses são os que mais consomem este tipo de medicamentos, com um crescimento de 8,2% entre maio de 2014 e abril de 2015, num total de 5.627.517 unidades e um crescimento em valor de 8,1%. 

O Reino Unido apresentou um crescimento de 5% na venda de anti-histamínicos, seguido de Espanha, com um crescimento de 1,76% e de França, com um aumento de 0,64% das vendas.

No extremo oposto encontra-se Itália e a Alemanha.

No último ano em análise, a compra de anti-histamínicos sistémicos pelos alemães decresceu 8,48%, e entre os italianos a compra daqueles medicamentos decresceu 2,3% no mesmo período.

Esta análise permitiu ainda verificar que em Portugal a substância ativa que regista maior consumo na classe de anti-histamínicos sistémicos é a Desloratadina, seguida pela Cetirizina.

Hoje assinala-se o Dia Mundial das Alergias.

Lusa

  • Benefícios fiscais trouxeram a Portugal 10 mil estrangeiros em 2015

    Economia

    Os benefícios fiscais em Portugal atraíram mais de 10 mil estrangeiros no ano passado. A maioria vem com o estatuto de residente não habitual, que dá isenção total de IRS aos reformados por dez anos e 20% de isenção no imposto para profissionais que estiverem ligados a atividades de valor acrescentado como Psicologia, Investigação ou Medicina.

  • Trump e os jornalistas: uma relação (su)rreal
    2:08
  • Novo campo de refugiados construído em Mossul

    Mundo

    Um novo campo de refugiados foi construído em Mossul, no Iraque. Com cerca de 4 mil tendas, foi construído durante 45 dias para albergar os deslocados que se prevê que aumentem com a atual ofensiva militar na zona ocidental da cidade.