sicnot

Perfil

País

"Governo seguiu a estratégia mais acertada para proteger os portugueses"

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, defendeu hoje que está demonstrado que o Governo seguiu a estratégia mais acertada para proteger os portugueses e que agora o que se discute é quanto vai a economia crescer.

SIC

"Com tudo o que entretanto se passou, sabemos que a estratégia que seguimos, de rigor, de crescimento e de credibilidade foi a mais acertada", declarou o chefe do executivo PSD/CDS-PP, no início da sua intervenção na abertura do debate do "Estado da Nação", na Assembleia da República.

"Foi a mais acertada, não segundo critérios de política partidária, não segundo cartilhas ideológicas que ignoram a realidade e os problemas concretos das pessoas. Foi, sim, a estratégia mais acertada para proteger os portugueses nas suas vidas quotidianas", acrescentou Passos Coelho.

Segundo o primeiro-ministro, a governação dos últimos quatro anos preparou Portugal "para resistir às contingências que o futuro pudesse trazer" e conduziu a "um horizonte de mais prosperidade, de mais equidade e de mais justiça".

Passos Coelho admitiu que se possa "discutir se é mais otimista ou menos otimista" esse horizonte, mas reclamou que neste momento "a discussão em Portugal já não é o crescimento do desemprego, o tumulto financeiro, a insegurança das poupanças, o desaparecimento de empresas e setores de atividade".

"A discussão, bem diferente, agora é: Quanto é que vai a economia crescer? Qual o ritmo de descida do desemprego? Que aceleração terá a inovação na nossa economia? A que velocidade serão removidas todas as medidas que nos foram forçadas pela violência da emergência nacional que atravessámos? Esse é um facto indesmentível da realidade portuguesa", sustentou.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Grupo de brasileiros em assalto milionário no Paraguai
    1:24