sicnot

Perfil

País

Jovem desaparecida em Guimarães estava na casa do par do baile de finalistas

A adolescente de 16 anos, de Guimarães, que foi esta quarta-feira localizada pela Polícia Judiciária em Paredes após ter desaparecido sexta-feira, estava na casa do seu par num baile de finalistas, informou esta quarta-feira a mãe.

A jovem estava desaparecida desde a noite de sexta-feira, após ter participado numa festa de final de ano letivo, e foi localizada em Paredes.

A jovem estava desaparecida desde a noite de sexta-feira, após ter participado numa festa de final de ano letivo, e foi localizada em Paredes.

Google Maps

Cristina Santos disse à Lusa que a filha confessou que "gosta" daquele jovem, de 20 anos.

No entanto, o jovem não terá assumido qualquer relação por em causa estar uma menor.

A mãe disse ainda que a filha alegou que andava a ser seguida por um rapaz e por um adulto com perto de 60 anos.

"Refugiou-se na casa daquele amigo, até para proteger a irmã, porque as duas andavam sempre juntas", acrescentou Cristina Santos.

A jovem estava desaparecida desde a noite de sexta-feira, após ter participado numa festa de final de ano letivo.

A PJ de Braga anunciou, em comunicado, que a localizou na zona de Paredes, sem que tenha apurado a prática de qualquer ilícito criminal.

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.