sicnot

Perfil

País

O estado da Nação no último debate político da legislatura

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, abre hoje como habitualmente o debate do Estado da Nação na Assembleia da República, o último da legislatura e que este ano acontece a cerca de três meses das eleições legislativas.

© Rafael Marchante / Reuters

Qual é para si o estado da Nação? O Opinião Pública às 11:00 dá voz aos espetadores da SIC Notícias. Participe também na discussão através das redes sociais, com a hashtag #EstadodaNação

O início do plenário está marcado para as 15:00 e a grelha de tempos dita um debate que se estenderá por perto de quatro horas (217 minutos).

Tradicionalmente, este é o último debate político da sessão legislativa antes das férias parlamentares - e, este ano, da legislatura - estando, por enquanto, apenas acertada a realização de mais um plenário para votações a 22 ou 23 de julho.

Segundo o regimento, é "um debate de política geral, iniciado com uma intervenção do primeiro-ministro sobre o Estado da Nação, sujeito a perguntas dos grupos parlamentares, seguindo-se o debate generalizado que é encerrado pelo Governo". 

Depois da intervenção inicial de Pedro Passos Coelho, que poderá durar até 40 minutos, os partidos terão direito a pedidos de esclarecimento e intervenções, pela seguinte ordem: PS, PSD, CDS-PP, PCP, BE e PEV. 

O último debate do "Estado da Nação" aconteceu a 2 de julho de 2014 e, na abertura, o primeiro-ministro propôs um compromisso nacional para o emprego e questionou o PS, então liderado por António José Seguro, sobre a sua posição perante o tratado orçamental europeu.

António José Seguro, que viria a ser substituído na liderança socialista por António Costa poucos meses depois, acusou Passos de destruir três gerações em três anos de chefia governamental, advogando a ideia de que tudo começou a 21 de junho de 2011, com a tomada de posse do executivo PSD/CDS e com a opção "deliberada" por um "caminho de empobrecimento".

A restante oposição foi também crítica para com o Governo, que esteve representado no "Estado da Nação" de 2014 também pelo vice-primeiro-ministro Paulo Portas - que encerrou o debate - e pelo ministro da Economia, António Pires de Lima, entre outros.

Na terça-feira, o presidente do PSD e primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou que pretende levar ao debate de hoje uma mensagem de confiança na zona euro e na economia portuguesa.

Já o secretário-geral do PS, António Costa, que não é deputado e portanto não intervirá no debate, tem estado no terreno nos últimos dias para preparar o debate do "Estado da Nação" para dar voz aos cidadãos e para denunciar o que chamou de "sete pecados capitais" do Governo, entre os quais destacou "as falsas promessas da campanha das legislativas de 2011, quando o atual primeiro-ministro garantiu que não cortaria salários, pensões e não aumentaria impostos".

Com Lusa

  • Qual é o #EstadodaNação ?

    País

    Esta quarta-feira à tarde, o Parlamento debate o estado da Nação. A maioria declara-se de "consciência tranquila" com o trabalho feito, a oposição reclama "verdade" e não "ficção política". E o que diz você? Qual é para si o estado da Nação? O Opinião Pública às 11:00 dá voz aos espetadores da SIC Notícias. Participe também na discussão através das redes sociais, com a hashtag #EstadodaNação

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Metade dos moradores de Sandinha recusaram sair das casas
    3:14
  • Habitantes de Várzeas tentam regressar à normalidade
    2:48
  • Corpos da tragédia em Pedrógão guardados em camião de alimentos
    8:11

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Duarte Nuno Vieira, médico legista, esteve esta quinta-feira, na Edição da Noite, para comentar o que já foi feito e o que falta fazer em Pedrógão Grande, depois de ter sido atingido pelos incêndios. O presidente do Conselho Europeu de Medicina Legal defendeu que guardar os corpos das vítimas mortais num camião de alimentos foi uma "maneira de solucionar o problema da forma possível", visto que não há espaço no Instituto Nacional De Medicina Legal.

  • Trump volta a garantir que não tentou interferir na investigação do FBI
    0:17

    Mundo

    O Presidente dos EUA reitera que não tentou interferir na investigação do FBI em relação às alegadas interferências da Rússia nas eleições presidenciais. Questionado sobre as gravações das conversas que manteve com o ex-diretor da polícia de investigação, James Comey, Donald Trump prometeu esclarecimentos num futuro breve.

  • "A informação pode ter saído depois da hora do exame de Português"
    1:19

    País

    O presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais diz que é preciso aguardar pelas conclusões do relatório sobre a alegada fuga de informação do exame nacional de Português. Jorge Ascensão defende que a investigação deve causar o mínimo de impacto aos alunos que realizaram a prova.