sicnot

Perfil

País

PS quer ministra da Administração Interna com caráter de urgência no parlamento

O PS vai requerer hoje, com caráter de urgência, a audição em sede de Comissão de Assuntos Constitucionais da ministra da Administração Interna, visando dar explicações sobre as negociações do novo estatuto profissional dos agentes da PSP.

Anabela Rodrigues, ministra da Administração Interna (LUSA/ ARQUIVO)

Anabela Rodrigues, ministra da Administração Interna (LUSA/ ARQUIVO)

INÁCIO ROSA / LUSA

Este pedido dos socialistas para ouvir a ministra Anabela Rodrigues é dirigido ao presidente da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, o social-democrata Fernando Negrão.

Segundo o PS, o processo de negociação do novo estatuto profissional da PSP "tem vindo a ser fortemente criticado por diferentes sindicatos".

"Para além de discordâncias relativamente ao conteúdo das alterações, sindicatos envolvidos no processo negocial (ora terminado) protestam contra o procedimento e a forma como o mesmo foi conduzido e contestam frontalmente o comportamento da senhora ministra da Administração Interna. Conforme atestam várias posições assumidas publicamente, o descontentamento e desmotivação da polícia, provocados pela proposta de novo estatuto profissional, são patentes e merecem preocupação pelas potenciais implicações negativas na organização e eficácia das políticas de segurança do país", justifica a nota da bancada socialista, à qual a agência Lusa teve acesso.

Ainda acordo com o PS, "permanece uma autêntica nebulosa a situação da revisão do estatuto profissional da GNR", razão pela qual também importa ouvir as explicações da ministra da Administração Interna.

Lusa

  • Montenegro nunca será candidato contra Passos
    0:50
  • Dijsselbloem não comenta hipótese de ser substituído por Mário Centeno
    2:41

    Mundo

    Jeroen Dijsselbloem diz que cabe ao Governo português avançar com o nome de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo, mas não comenta a sondagem que foi feita ao ministro das Finanças português. Ouvido esta quinta-feira no Parlamento Europeu, o Presidente do Eurogrupo esteve no centro das críticas e reafirmou que não se demite.